Frustração

Corinthians teve tudo para terminar rodada com folga na frente, mas vacilo da zaga permitiu empate com Ceará

Bruno Deiro, O Estado de S.Paulo

15 de agosto de 2011 | 00h00

O Corinthians armou a festa no Pacaembu e estragou tudo com um gol sofrido a seis minutos do fim. Com atuação irregular, o empate por 2 a 2 com o Ceará impediu que o time de Tite aproveitasse o tropeço dos rivais para abrir folga na liderança do Campeonato Brasileiro, numa rodada sem vitória dos clubes paulistas.

Alex, autor de um belo gol em chute de fora da área, lamentou a queda de rendimento da equipe, que abriu 2 a 1 na etapa inicial. "Para ser líder, temos de fazer um pouco mais durante os 90 minutos, não jogar um tempo só", disse o meia. "Foi parecido com o jogo contra o Santos (0 a 0) em que dominamos o primeiro tempo e caímos após o intervalo."

Com o resultado, o Corinthians segue empatado na liderança com o Flamengo (34 pontos), mas tem dez vitórias, uma a mais que o rival carioca.

Festa pronta. Mesmo com o céu cinzento, o Pacaembu recebeu público total de 30 mil ontem, em clima de comemoração pelo Dia dos Pais. Em campo, pelo menos no início, o time deu sinais de que iria corresponder.

Na primeira etapa, o Corinthians fez tudo que se espera do líder do campeonato. Vibrante, sufocou o Ceará e atuou todo o tempo no ataque. Após perder chances claras, o time de Tite abriu o placar aos 24, em boa trama coletiva. Jorge Henrique correu da esquerda para o meio e tocou para Danilo, que passou de primeira para Paulinho invadir a área e chutar forte.

A torcida ainda comemorava quando a defesa bateu cabeça pela primeira vez. Aos 29, os zagueiros não se entenderam numa bola lançada e Osvaldo aproveitou a indecisão para empatar. O alívio, porém, não demorou a chegar. No minuto seguinte, Alex arriscou de fora da área e acertou um lindo chute no ângulo.

Após o intervalo, porém, quem mandou no jogo foi o Ceará. A cada bola na área, a torcida prendia a respiração. Aos 37, um gol do time cearense foi anulado, mas calou o Pacaembu. O estádio ficou ainda mais silencioso dois minutos depois, quando outra bola aérea foi lançada após cobrança de escanteio e Rudnei aproveitou confusão da zaga na área para marcar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.