Futebol é exemplo contra pessimismo

Seleção masculina chega sob desconfiança para os Jogos e atletas lembram que Brasil ganhou três Copas na mesma situação

WILSON BALDINI JR. , ENVIADO ESPECIAL / LONDRES, O Estado de S.Paulo

24 de julho de 2012 | 03h05

A opinião pessimista dos críticos com relação à participação da seleção brasileira masculina de vôlei nos Jogos Olímpicos de Londres não afetou o entusiasmo dos jogadores e do técnico Bernardinho. No desembarque de ontem, no Aeroporto Heathrow, na capital inglesa, a seleção brasileira de futebol foi dada como exemplo. Em três oportunidades (1970, 1994 e 2002), a equipe nacional chegou a uma Copa do Mundo desacreditada e conseguiu dar a volta por cima.

"Acho bom pensar assim. Vamos encarar dessa forma. Só nós sabemos de nossa força para conseguir superar nossas dificuldades. Vamos mostrar desde a primeira fase o nosso potencial. E ganhar como o futebol fez nas copas'', disse Bruninho.

Três palavras foram muito citadas durante a chegada da equipe em Londres: superação, garra e confiança. A eliminação na Liga Mundial, com quatro derrotas para a Polônia, parece ter sido esquecida. "Já tivemos derrotas antes da Olimpíada de Atenas e de Pequim e nas duas oportunidades chegamos à final, com um ouro e uma prata'', disse o Bernardinho, relembrando o revés diante da Venezuela no Pan-Americano de 2003 e na final da Liga Mundial em 2008.

Ao mesmo tempo, o treinador - que ontem já comandou treino em Londres - admitiu o melhor momento vivido por poloneses e italianos. "Eles estão em um patamar um pouco maior, mas temos todas as condições de reverter isso. Esse grupo já fez coisas semelhantes outras vezes.''

O levantador Ricardinho era um dos mais otimistas. "Temos de esquecer o que aconteceu na Liga Mundial. Não vai ser uma eliminação que vai acabar com a força emocional desse time, que vem obtendo grandes resultados há uma década. Sabemos de nossa força e vamos demonstrar isso desde os primeiros jogos.'' Segundo ele, o fato de o Brasil não chegar como favorito é um fator positivo. "É bom. Coloca pressão sobre os outros. Nós já temos nossa própria pressão.''

Sem perder o sorriso no rosto, Dante foi outro que esbanjou confiança. "Este é um grupo guerreiro. Vai mostrar que ainda tem muito a fazer em competições importantes'', disse o jogador, sempre elétrico e positivo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.