Arquivo/AE
Arquivo/AE

Futebol Feminino: maturidade é a aposta de Marta e companhia

Com um time de veteranas, seleção feminina do Brasil põe suas fichas em atletas que disputam os Jogos Olímpicos pela terceira vez

Bruno Deiro, estadão.com.br

24 de fevereiro de 2012 | 17h02

SÃO PAULO - A seleção feminina do Brasil aposta na maturidade e em um elenco que joga junto há mais de oito anos para, enfim, voltar com o ouro olímpico. Melhor do mundo cinco vezes seguidas, Marta terá a missão de liderar o time após ter sido preterida na última eleição da Fifa – a escolhida foi a japonesa Homare Sawa.

Do grupo que deve ser escolhido para ir a Londres, pelo menos oito jogadoras estiveram nas duas últimas edições dos Jogos Olímpicos. Segundo o técnico Jorge Barcellos, a definição das convocadas dá facilidade para trabalhar. "Ainda estamos em fase de treinamento, mas diria que 70% do elenco já está definido."

Com muitas jogadoras acima dos 30 anos, Barcellos vê um time formado ao longo de muito tempo – para a maioria, será a última chance de tentar conquistar o inédito ouro olímpico.

"É um grupo maduro, uma seleção muito experiente que está jogando junta há dois Mundiais e duas olimpíadas. Sabe a responsabilidade que terá pela frente", afirma o treinador.

A equipe base para Londres iniciou sua jornada com a prata nos Jogos de Atenas, em 2004, e repetiu a dose em Pequim. No Mundial da China, em 2007, chegou invicta e com 100% de aproveitamento à final, com direito a goleada por 4 a 0 nos EUA na semifinal, mas perdeu a decisão para a Alemanha (2 a 0).

NOVA CONCORRENTE

Além de Alemanha e dos EUA, principais rivais do Brasil nas competições femininas de futebol, o Japão surge como uma nova potência a ser observada. Na Copa do Mundo da Alemanha, no ano passado, o time nipônico deixou a anfitriã pelo caminho, bateu as norte-americanas na final e entrou para o seleto clube das campeãs mundiais – que tem apenas os EUA, a Alemanha e a Noruega.

Artilheira (5 gols) e melhor jogadora do torneio, Homare Sawa foi o grande nome. Aos 34 anos, a camisa 10 deve ter sua última chance de levar o Japão à sua primeira medalha no torneio olímpico – em 2008, ela estava em campo na derrota para a Alemanha na decisão do 3.º lugar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.