Futsac, mistura de tênis com futevôlei, será oficializado como esporte

Modalidade criada em Curitiba ganha status oficial neste sábado e sonha em virar olímpica

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

29 de março de 2014 | 07h00

SÃO PAULO - O Brasil ganhará uma nova modalidade esportiva neste sábado. O futsac, criado em Curitiba, será oficializado justamente no dia do aniversário da cidade e começa a sonhar em ganhar fronteiras. A modalidade mistura futevôlei com tênis e é jogado com uma bola de crochê em formato de saco.

O criador, Marcos Juliano Ofenbock, teve a ideia quando retornou de um intercâmbio na Áustralia, em 1998. Na Oceania, entrou em contato com o footbag e ao chegar ao Brasil, teve a ideia de apresentar aos amigos o futebol de saco. Inicialmente, deu o nome de footsack, mas foi na versão aportuguesada para futsac que a prática se difundiu.

O esporte pode ser jogado na modalidade individual ou duplas e é jogado em uma quadra de 5 metros de largura por 10 metros de comprimento, com uma rede divisória de 1,5 metros de altura. O objetivo é derrubar a bola no lado adversário. O jogo não permite o uso das mãos e cada participante pode tocar duas vezes na bola. O vencedor sai em melhor de três sets de 21 pontos corridos cada.

O caminho para chegar até este sábado, quando a modalidade passa a ser oficial, foi longo. Ofenbock contou que durante cinco anos estudou livros sobre esporte e investiu parte de herança para fortalecer o sonho de transformar o futsac. Em 2007 organizou e foi o vencedor do primeiro campeonato da história, com 14 participantes. A grande evolução viria no ano seguinte.

"Em 2008 o futsac ficou muito conhecido em Itapema (SC), onde sempre passo férias. Lá virou muito popular no verão e em dezembro organizamos o primeiro campeonato brasileiro. Já no ano seguinte, criamos a Federação Paranaense", explicou.

A partir daí o esporte ficou conhecido também no Rio Grande do Sul e facilitou bastante o sonho da oficialização. O Ministério do Esporte requer a existência de três federações para reconhecer uma modalidade e com a adesão dos três Estados do Sul, o sonho de Ofenbock ficou mais próximo. "Tenho projetos de viajar para o Brasil e apresentar o esporte. Uma equipe da Fifa já fez reportagem para divulgar o futsac e recebi até mesmo contato de interessados de outros países", contou.

SUSTENTABILIDADE

A bola de crochê usada no futsac é recheada com plástico granulado de garrafa pet. Para dar conta da demanda da fabricação, foi criada uma Associação de Crocheteiras. São 50 associadas e mais de 300 cadastradas.

Com o argumento de "esporte verde", o futsac ganhou adeptos e atraiu apoio de representantes do Ministério do Esporte, da prefeitura de Curitiba e do governo do Paraná, que terão representantes na cerimônia de oficialização, neste sábado. "O foguete vai decolar e não é utopia planejar que em dez anos ele será um esporte olímpico", disse o criador.

Tudo o que sabemos sobre:
esportesfutsac

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.