Futsal brasileiro usa comemoração como palanque para Olimpíada

Campeão invicto dos JogosPan-Americanos do Rio de Janeiro, o futsal brasileiro usou acomemoração como palanque para tentar incluir a modalidade nopróximo Pan e futuramente numa Olimpíada. Foi a primeira vez que o futsal disputou um Pan e aparticipação da modalidade na próxima edição dos Jogos, emGuadalajara-2011, ainda é incerta. "A gente fez nossa parte e esperamos que seja um grandepasso para conquistar uma vaga no outro Pan, o que seria outramedalha de ouro. A gente espera que não seja uma vítimapolítica", disse o ala Falcão em entrevista coletiva após avitória de 4 x 1 sobre a Argentina na final. "Foi tudo perfeito, não tem um argumento negativo que podeatrapalhar", completou o astro do futsal brasileiro, sendorealista em seguida: "De nada adianta se o pessoal que decidenão se reunir." Na final do Pan contra a Argentina estiveram no ginásio opresidente de honra da Fifa, João Havelange, e o presidente doComitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman, quedefendeu uma campanha mundial para tornar o futsal um esporteolímpico. Para o técnico da seleção brasileira, Paulo César deOliveira, o futsal mostrou no Pan ter visibilidade e retornofinanceiro ao lotar o ginásio em todos os jogos. "Esperamos tersensibilizado quem decide", afirmou o treinador.No entanto, o presidente da Organização DesportivaPan-Americano, Mario Vásquez Raña, não esteve na final dofutsal no Pan. Há seis temporadas na Espanha, bicampeã mundial de futsal,o capitão brasileiro, Vinícius, explicou que há um crescimentomundial do esporte, mas que os dois principais países deveriamse unir para levar o futsal a uma Olimpíada. "Não vejo um diálogo entre Brasil e Espanha, não vejo osdois países caminhando juntos nesse sentido. O futsal temmídia, espetáculo, falta organização", declarou Vinícius.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.