Pat Nolan/WSL
Pat Nolan/WSL

Gabriel Medina dedica título mundial à mulher Yasmin Brunet e ao seu novo técnico

Surfista brasileiro enaltece importância da modelo com quem casou em janeiro e do australiano Andy King

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

15 de setembro de 2021 | 08h01

Gabriel Medina venceu o Rip Curl WSL Finals, confirmando seu favoritismo, e aproveitou para dedicar o título mundial, seu terceiro na carreira, a duas pessoas que foram importantes para ele nessa caminhada: sua mulher Yasmin Brunet e seu novo técnico, o australiano Andy King. "Eu amo minha mulher e o Andy King foi um cara muito especial. Eles me ajudaram bastante este ano", disse.

A relação de Medina com a modelo Yasmin começou a ficar mais forte no ano passado e em janeiro deste ano eles decidiram casar no Havaí. Desde então vivem grudados e ela viaja para todas as etapas do Circuito Mundial de Surfe com ele. Já King começou a trabalhar com o surfista na Austrália, na segunda etapa da temporada, e estava em Trestles para o WSL Finals.

"Foi um ano muito intenso, competitivo, e eu respeito muito os atletas que estavam nessa final do circuito. Fui abençoado de ter essa vitória. Esse foi um ano difícil, teve a pandemia de covid-19, muita coisa mudou, e fico feliz de sentir esse carinho do público", continuou o atleta, festejando a presença de torcida nas areias da praia na Califórnia.

Ele também enalteceu o desempenho de Filipe Toledo, seu adversário na decisão. Os dois travaram um duelo de alto nível, mas Medina levou a melhor diante de um rival que está acostumado com aquelas ondas, pois vive em San Clemente, a dez minutos da praia. "Eu sei que ele ainda vai ser campeão do mundo e eu estarei lá para abraçá-lo", disse.

Medina garante que a rivalidade com os outros surfistas é apenas na água, durante a bateria. Fora das competições, costuma se dar bem com todos. Tanto que ganhou o primeiro abraço após ser campeão mundial de Filipinho, ainda no mar. Depois ganhou outro do amigo quando dava entrevista e foi elogiado por Italo Ferreira em um vídeo que postou em sua rede social.

"Estou 'amarradão' pelo Gabriel que venceu, e triste por um lado pelo Filipe, que buscava seu primeiro título. Se colocar as duas histórias na balança, dou um troféu para cada um dos caras. O Gabriel teve de se superar esse ano, teve muitos problemas que poderiam ter feito ele desistir, mas o moleque conseguiu manter a cabeça no lugar e ir firme no objetivo. Espero que o Filipe também consiga manter a cabeça, está surfando muito, está voando", disse Italo.

Ao receber o troféu de campeão do mundo, Medina fez o número três com a mão, em alusão ao seu tricampeonato, e lembrou de outros atletas que já conquistaram esse feito, como seu ídolo no esporte, o piloto Ayrton Senna, e o ídolo no surfe, o australiano Mick Fanning. "Eu sonhei muito por esse momento. Tenho três títulos mundiais como o Senna, o Mick e o Tom Curren (surfista dos EUA). Todo sonho parece ser impossível até ser realizado. Eu nunca desisti e trabalhei duro para isso", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.