Reprodução/Twitter WSL
Reprodução/Twitter WSL

Gabriel Medina estreia com vitória em Bells Beach, na Austrália

Surfista brasileiro vence bateria e avança direto à terceira fase

O Estado de S. Paulo

31 Março 2015 | 21h56

Gabriel Medina estreou com vitória em Bells Beach, na Austrália, na segunda etapa da temporada do Circuito Mundial de Surfe. Ele conquistou 12,76 pontos em 20 possíveis e deixou para trás Matt Banting e Joe Van Dijk. Com isso o atual campeão mundial evitou a repescagem e aguarda seu adversário na terceira fase, que não deve ser disputada nesta quarta-feira, a partir das 18 horas (de Brasília, manhã de quinta-feira na Austrália), porque a organização vai mesclar baterias da etapa feminina com a repescagem masculina. Isso ajudará Medina a ter no mínimo um dia de descanso na Austrália.

As condições do mar não estavam as melhores no momento da bateria de Medina, mas ele soube aproveitar as poucas boas ondas que apareceram e garantiu o resultado, controlando a disputa do início ao fim. "Não foi um dia típico de Bells, mas estou feliz de ter vencido. Espero que as ondas fiquem maiores nos próximos dias e sei que será um evento muito complicado para vencer. Vou dar meu melhor para conquistar a etapa", afirmou Medina.

Quem também avançou foi Kelly Slater, que não deu a menor chance para seus adversários Sebastian Zietz e Ricardo Christie. Com uma atuação convincente, o 11 vezes campeão mundial acumulou 16,67 pontos em sua bateria, a terceira do dia de competição na Austrália. Agora ele aguarda seu adversário, que será definido somente após a disputa da repescagem. "Eu fiquei observando as baterias anteriores à minha e pude perceber o jeito que as ondas estavam quebrando", explicou.

Antes de Medina, outro três brasileiros entraram na água e não tiveram a mesma sorte do atual campeão mundial. Wiggolly Dantas, Italo Ferreira e Adriano de Souza ficaram em segundo em suas baterias e terão de evitar a eliminação precoce na próxima fase, que é uma repescagem para os perdedores. A competição tem prazo para terminar no dia 12 de abril e a cada dia a organização vai avaliar as condições do mar para decidir se haverá evento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.