Gabriel Medina quer transformar pressão em energia positiva

Surfista brasileiro está na terceira fase do Pipe Masters, no Havaí; ele pode ser campeão do Circuito Mundial já na próxima bateria

PAULO FAVERO, O Estado de S. Paulo

13 de dezembro de 2014 | 10h05

Com a vitória na primeira fase do Pipe Masters, a última etapa do Circuito Mundial de Surfe, Gabriel Medina foi direto para a terceira fase e, se vencer a próxima bateria, já elimina Kelly Slater da disputa pelo título. E se Mick Fanning cair, o brasileiro garante o título mundial inédito. "Se eu falar que isso não mexe com a gente é mentira, mas temos de transformar essa pressão em energia positiva. Esse será nosso trabalho a partir de agora", avisa Charles Saldanha, pai e técnico do surfista.

A intenção é não deixar o menino se deslumbrar com a possibilidade de título e manter os pés no chão até o fim de sua participação. "Viemos para a praia, já sentimos o clima, está mais fácil trabalhar aqui do que no Brasil ou em Portugal", contou Charles. "São três passos que tínhamos de dar e já foram dois. Precisa de mais um para chegar perto. Estamos felizes, mas não podemos nos empolgar. Ninguém ganha de véspera".

Charles, inclusive, tratou de garantir o espaço para que o surfista pudesse andar pela areia da praia antes de bateria sem ser importunado. "É difícil, no começo da bateria estava um pouco nervoso, então a gente pede para o pessoal não amontoar muito. Tenho 40 anos e já me assusto com isso, imagina ele com 20. Mas lá dentro do mar, o surfe deixa a pessoa tranquila. A última coisa que ele pensa é em pressão quando está lá dentro. Só quer surfar."

A pontuação nas ondas em sua estreia foram baixas, mas ele foi bem superior aos seus rivais e não deu brechas, evitando ter de disputar a repescagem. "O mar piorou, por isso que as notas foram mais baixas. Mas dentro da bateria o Gabriel ficou 20% acima da melhor nota do segundo colocado. Foi um bom começo, ele surfou com dignidade, se impondo", explicou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.