Márcio Fernandes/Estadão<br>
Márcio Fernandes/Estadão

Gabriel Medina supera australianos e avança à terceira fase no surfe

Brasileiro passa por Kai Otton e Jacob Willcox e agora espera para conhecer novo adversário/ Kelly Slater também garante classificação

PAULO FAVERO - Enviado especial a Peniche, O Estado de S. Paulo

14 de outubro de 2014 | 09h04

Gabriel Medina avançou na etapa de Portugal do Circuito Mundial de Surfe, nesta terça-feira, ao vencer os australianos Kai Otton e Jacob Willcox. Em um mar bastante mexido, ele conseguiu encontrar algumas boas ondas e avançou direto para a terceira fase da competição. Com isso, espera um adversário que sairá da repescagem entre os perdedores das baterias. "O mar estava bem difícil, mas consegui achar duas boas ondas, com notas acima de sete, e estou superfeliz", disse.

Quem também avançou foi o norte-americano Kelly Slater, principal adversário de Medina em busca do título mundial. Já Mick Fanning e John John Florence, outros fortes candidatos, foram para a repescagem ao perderem suas baterias. De qualquer maneira, Medina garante não estar de olho no tropeço dos rivais. "Estou focado apenas em mim. Fico feliz com a vitória e vamos agora para a próxima fase", afirmou.

Medina conquistou 14,27 pontos em 20 possíveis. Otton obteve 12,83 e Willcox apenas 8,43. "Com o mar desse jeito, temos de pegar as ondas e ver o que vai dar. Minha estratégia foi surfar e fazer o que sempre faço. No final deu tudo certo. Sei que é a etapa mais importante do ano, mas estou tranquilo", comentou.

O surfista pode ser o primeiro brasileiro a ser campeão mundial no esporte. Para isso ocorrer sem depender da próxima etapa, ele só precisa vencer o torneio na praia de Supertubos, em Peniche. Se ficar pelo caminho terá de ver a colocação de Kelly Slater e Mick Fanning para saber suas chances. Mas a primeira bateria já foi vencida.

Tudo o que sabemos sobre:
surfeGabriel MedinaPortugal

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.