Wilton Junior / AE - 15/12/2011
Wilton Junior / AE - 15/12/2011

Gabriel O Pensador agora descobre jovens talentos da bola

Cantos comanda projeto para garimpar e preparar jogadores de futebol

Tiago Rogero, O Estado de S. Paulo

21 Janeiro 2012 | 16h43

RIO - Em 1993, o carioca Gabriel O Pensador lançou o primeiro CD. Oito anos depois, publicou um livro e, em 2010, virou empresário da bola. Criou o "Pensador Futebol", projeto com jovens de várias partes do Brasil, muitos de famílias carentes.

Quase dois anos depois, Gabriel começa a colher os resultados. Se não financeiramente – "ainda", frisa –, pelo menos entre as quatro linhas.

O cantor e escritor administra as categorias de base do Duque Caxiense, da Baixada Fluminense. Todo mês, cerca de 100 meninos, com idades entre 14 e 17 anos, treinam no campo alugado no bairro Santa Cruz da Serra, em Duque de Caxias. No alojamento, logo em frente, moram 30 jovens de Rio Grande do Sul, Bahia e cidades do interior do Rio de Janeiro.

Há atletas que começaram no Caxiense – e que continuam tendo Gabriel como empresário – nas categorias de base de Vasco, Fluminense, Cruzeiro e Santos. Diego "Baiano", de 17 anos, foi "descoberto" na Bahia e hoje está nos juniores do Vasco, onde foi apelidado de "Dedé da base, devido à estatura e boa impulsão. "Tenho meu próprio estilo, mas, como ele, faço muitos gols de cabeça", orgulha-se o atleta.

Julen é outra "estrela" de Gabriel. Aos 17 anos, o brasiliense – corte de cabelo no melhor estilo Neymar, brinco na orelha, cordão no pescoço – joga como meia-atacante na base do Fluminense. "Sou ousado", define-se.

Apesar do objetivo social – "e não posso ter vergonha disso", diz Gabriel –, o empresário não esconde a intenção de lucrar com o novo ramo, até o momento custeado integralmente por ele. "Custa caro", conta o Pensador, que não quis revelar o valor exato investido.

Além dos gastos com o staff (técnico, auxiliar, psicóloga, fisioterapeuta e outros profissionais), Gabriel dá uma "bolsa" aos atletas mais carentes.

NOVO RAMO 

A carreira de empresário começou por acaso. O filho de uma empregada da família jogava bem, mas já havia "passado da idade". Gabriel, que tinha amigos no futebol graças à música, levou o garoto até um empresário de Porto Alegre. "Ele me explicou como eu poderia ajudar garotos. Viu que eu estava interessado e sugeriu que fizesse um jogo aqui no Rio, organizasse uma 'peneira' (teste para selecionar atletas)."

Organizou o jogo e uma coisa levou à outra. Conheceu mais gente do ramo. Ficou sabendo do Duque Caxiense, que "não tinha campo, nem estrutura e estava precisando de ajuda para cuidar da categoria de base", e começou. "Logo de cara, vimos que era melhor fazer bem feito", lembra. Contratou preparador físico, de goleiros, fisiologista, e tudo começou a ficar um pouco mais caro que esperava, mas não desanimou.

Para este ano, o cantor quer montar uma equipe mirim e outra de juniores, e não descarta a possibilidade de assumir um time profissional. Ele está à procura de patrocínios por meio da lei de incentivo ao esporte.

"Hoje, me sinto mais à vontade de mostrar um trabalho concreto e falar com o empresário: 'Os resultados são estes, mas poderiam ser ainda maiores'."

Pensador está consciente da responsabilidade advinda da função. "Estamos mexendo com o sonho de muita gente e acabo me apegando pessoalmente, conheço as famílias", disse o cantor.

Na "pelada" de confraternização do time, no fim do ano, Gabriel jogou, marcou gol. Pegava na bola e a meninada gritava: "Não vai bater no Gabriel, hein?"

O futebol, que era um hobby, virou uma responsabilidade. "Mas também me dá alegria. Hoje, torço mais por eles (seus jogadores) do que pelo Flamengo", admitiu o rubro-negro fanático.

Além do projeto, Gabriel O Pensador tornou-se recentemente embaixador do "Dream Football", projeto do ex-atacante português Luís Figo que seleciona vídeos de jovens que sonham em ser jogadores de futebol.

O material é avaliado pela equipe do projeto, coordenada pelo técnico do Palmeiras, Luiz Felipe Scolari, e atletas de destaque podem ser selecionados para testes em grandes equipes europeias, como a Internazionale, da Itália.

Mais conteúdo sobre:
futebolGabriel O pensador

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.