Galo pode bater marca do Corinthians

Se fizer somente 1 ponto diante dos Santos, Atletico-MG fecha 12.ª rodada em situação melhor que a do Corinthians no ano passado.

Marcelo Portela, de BELO HORIZONTE, O Estado de S.Paulo

26 de julho de 2012 | 03h07

Tite disse, após o título do ano passado, que dificilmente alguém conseguiria repetir aquela arrancada inicial que acabou sendo decisiva na conquista do Corinthians. Hoje, caso faça ao menos um ponto diante do Santos no Estádio Independência, em Belo Horizonte, o Atlético-MG fechará a 12.ª rodada melhor do que o campeão do ano passado.

Com a moral inflada por uma sequência de seis vitórias consecutivas, o Galo ainda comemora a recuperação de sua principal estrela, o meia Ronaldinho Gaúcho, que pela primeira vez desde que foi oficializado no clube correu risco de desfalcar a equipe.

O atleta havia sido poupado das últimas atividades do grupo por causa de dores musculares na coxa direita, resultado de uma pancada que levou na vitória por 4 a 1 sobre o Sport, no sábado, em Recife, mas ontem - após a realização de exames que não apontaram lesão - disputou normalmente o treino tático e ainda participou do rachão e está confirmado.

Caso sinta durante a partida, Guilherme já está de sobreaviso para entrar (até treinou na posição). Serginho substitui Leandro Donizete, suspenso.

Sem salto alto. A expectativa para a soma de pontos é das melhores em Belo Horizonte. Ainda mais pelo fato de o rival não ter suas estrelas, Neymar e Ganso, e vir de série negativa de resultados na competição.

Mas, no discurso, o respeito é pregado. "O Neymar e o Ganso são grandes jogadores, de nível de seleção brasileira, mas o Santos merece todo o nosso respeito e atenção. Para mim, a ausência deles não vai mudar nada dentro de campo, terei que ter a mesma atenção e empenho para marcar os jogadores que vão entrar em campo", comenta Pierre.

O volante ainda mostra estar bem atento ao oponente. "O Felipe (Anderson) vive um grande momento. O Santos tem uma molecada muito boa, que se soma à experiência de jogadores como o Arouca e o Henrique, então, é pedreira. Estamos todos atentos e focados, não há espaço para relaxamento e vamos entrar respeitando muito a equipe adversária", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.