Ganso sai do banco e salva São Paulo

Meia entra no jogo aos 28 minutos do segundo tempo e faz de cabeça o gol da vitória; Tricolor não jogou bem

MARCIUS AZEVEDO, O Estado de S.Paulo

17 de fevereiro de 2013 | 02h04

A inconsistência defensiva e uma falha homérica de Rogério Ceni quase custaram ao São Paulo os três pontos no Morumbi, mas o time contou com a boa atuação de Jadson e com um gol do iluminado Paulo Henrique Ganso aos 43 minutos do segundo tempo para vencer o Ituano por 3 a 2 e alcançar o quarto triunfo no Paulista.

A esperança de Ney Franco era arrumar sua defesa, que havia sido vazada nove vezes nos últimos três jogos, contra Bolívar, Santos e Atlético-MG. O treinador criou coragem e fez uma mudança que havia muito ensaiava: Rafael Toloi no lugar de Rhodolfo. Ele só não contava com ter de fazer outra alteração no setor: Paulo Miranda, com dores no joelho esquerdo, foi substituído pelo atacante Aloísio, com Douglas voltando para a lateral.

A segunda alteração trouxe problemas para o São Paulo no começo da partida. O lado direito do setor defensivo se transformou em uma avenida trafegada com velocidade pelos jogadores do Ituano. Douglas estava perdido na marcação. Lúcio corria desesperadamente para tentar tapar os espaços, enquanto Denilson era ineficiente na cobertura.

A fragilidade defensiva, no entanto, não impediu o São Paulo de abrir o placar. E o gol saiu de um lampejo de Jadson, jogador mais regular da equipe na temporada. O meia enfiou linda bola de pé esquerdo - com a mesma precisão do direito, o bom - para Osvaldo chutar rasteiro, no canto de Anderson. Foi a quarta assistência de Jadson em sete jogos.

Mas vamos voltar à defesa, o setor que estava sob julgamento na partida. Aos poucos, o lado direito foi se acertando. Na esquerda, Toloi jogava com seriedade, sem dar brecha para Rhodolfo voltar. A turma lá de trás só não contava com um erro do único jogador que não tem o direito de falhar. Rogério Ceni engoliu um frango em chute pra lá de despretensioso de Kleiton Domingues: 1 a 1. O goleiro até teve chance de se redimir pouco depois, mas a bola parou no travessão em cobrança de falta.

A sorte do capitão é que Jadson anda iluminado. Na volta do intervalo, com o Ituano cheio de moral, querendo ser um visitante indigesto, ele fez o segundo em cobrança de falta. A bola alçada na área passou por todo mundo e morreu na rede.

O problema é que a defesa teimava em apagar o brilho de Jadson. O gol de empate saiu pouco depois de Ney Franco, preocupado em perder Lúcio, que havia recebido o amarelo, colocar Rhodolfo em campo. A defesa demorou quatro minutos para ajustar o novo posicionamento. Foi fatal. Adaílton marcou após cruzamento de Leandro Silva.

Antes de o São Paulo reiniciar o jogo, entrou em campo o personagem que iria garantir os três pontos. Paulo Henrique Ganso não ficaria ofuscado por Jadson. Foi do camisa oito o gol da vitória, de cabeça, após cruzamento preciso de Osvaldo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.