Garotos de olho na seleção principal

Jogadores como Oscar, Rafael, Rômulo e Neto querem usar o torneio para brigar por uma vaga na Copa de 2014

MATEUS SILVA ALVES , ENVIADO ESPECIAL / MANCHESTER, O Estado de S.Paulo

28 de julho de 2012 | 03h05

Entrar para a história do futebol brasileiro como integrante da primeira equipe do País a ganhar a medalha de ouro olímpica é muita coisa, mas não é tudo. Ao menos não para um grupo de jogadores que pensam mais adiante, na Copa do Mundo de 2014. São garotos que não tinham muito espaço na Seleção principal e que pretendem aproveitar os Jogos para ganhar pontos com Mano Menezes e brigar por espaço com os "veteranos" que voltarão a ser chamados quando a Olimpíada acabar.

Está claro que nenhum outro jogador tem tanto a ganhar nos Jogos Olímpicos quanto Oscar, que deixou o Internacional e é o novo reforço do Chelsea. Até o ano passado, o meia era apenas uma promessa da seleção sub-20, mas hoje ele já é visto como solução para um problema crônico do futebol brasileiro, a falta de um grande meia-armador. Foi nos amistosos de preparação para a Olimpíada que o garoto de Americana conquistou seu lugar na seleção e a estreia do Brasil no torneio olímpico, contra o Egito, foi mais um passo em direção à Copa.

Oscar sabe muito bem que fazer uma boa torneio será fundamental para ganhar espaço na seleção principal.

"É claro que a Olimpíada pode ajudar. Se formos campeões, essa base que está aqui pode ser mantida para a gente chegar bem à Copa", comentou o meia. "Realmente a Olimpíada pode ajudar muito, pode facilitar as coisas para mim", concordou o zagueiro Juan, que também pertence ao grupo dos que podem usar a Olimpíada como trampolim.

Por nunca ter se firmado como titular no Manchester United, o lateral-direito Rafael ainda não conseguiu se tornar figurinha carimbada no time de Mano, mas uma boa exibição em Londres pode mudar isso. E o jogador revelado pelo Fluminense começou bem, fazendo o primeiro gol do Brasil no torneio.

O volante Rômulo também vive essa situação, mas tem um problema: por jogar agora no Spartak Moscou, da Rússia, o ex-vascaíno pode sumir do radar.

Por outro lado, há um jogador que estava pronto para também usar a Olimpíada como meio de se firmar, mas foi impedido pelo destino. Por causa de uma lesão no cotovelo direito, o goleiro Rafael perdeu a chance de entrar com firmeza na briga para ser titular após os Jogos. Agora essa oportunidade está, literalmente, nas mãos de Neto.

FUTEBOL

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.