Gás leva Palmeiras ao tribunal

Mesmo que seja condenado, a final será no Estádio Palestra Itália

Daniel Akstein Batista, O Estadao de S.Paulo

25 de abril de 2008 | 00h00

O Palmeiras volta ao banco dos réus na segunda-feira. Antônio Carlos Meccia, procurador do Tribunal de Justiça Desportiva, denunciou o clube por causa do gás que infestou o vestiário do visitante, no Palestra Itália, no clássico de domingo, contra o São Paulo. Mesmo condenado, o Palmeiras não corre o risco de perder o mando de campo na final - no dia 4 de maio, contra a Ponte Preta. Ainda atrás dos culpados, a Polícia Civil intensificou a investigação e hoje deve dar novos detalhes do caso. Um grupo de torcedores ligados à Mancha Alviverde teria reivindicado a autoria.O Palmeiras vai responder pelo artigo 213 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva - deixar de tomar providências capazes de prevenir e reprimir desordens em sua praça de desporto -, com pena prevista de multa de R$ 10 mil a R$ 200 mil, além da perda do mando de campo de uma a dez partidas.O procurador, no entanto, avisa que o Palestra Itália será o palco da finalíssima. "Pelo artigo 42, parágrafo segundo, do Regulamento Geral das Competições Nacionais, o clube que tiver a perda do mando de campo tem cinco dias úteis para ser notificado", explicou Meccia. Na terça-feira, o procurador fez vistoria no Palestra Itália e achou bem difícil o gás ter sido jogado por fora do vestiário. Mas, após ouvir testemunhas e analisar fitas de vídeo, mudou de idéia. "Presumidamente foi de fora para dentro. Sinto pelo Palmeiras e não acredito que a diretoria teve a intenção (de jogar o gás). Foi algum torcedor que fez a molecagem que prejudicou o clube."Apesar de poucas provas, Meccia achou correto denunciar o Palmeiras. Caberá ao TJD definir, na segunda-feira, se pune. "Infelizmente, as provas não eram tão sólidas como eu gostaria", disse o procurador. "Mas o fato houve e o dono do campo não conseguiu evitá-lo."Luiz Roberto Martins Castro, advogado do Palmeiras, vai pedir o adiamento do julgamento. "Não acreditava que a denúncia fosse tão rápida, ainda sem o resultado do laudo policial", disse. "Vou pedir o adiamento. Impossível preparar a defesa em um dia." Caso seja punido, o Palmeiras perde mando de campo no Estadual de 2009.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.