Gatlin diz que só quer correr e sonha com Pequim

O campeão olímpico dos100 metros rasos Justin Gatlin, suspenso do esporte por doping,ainda tem um sonho. "Sou apenas como um menino. Tudo o que quero fazer écorrer", disse à Reuters o velocista de 25 anos, em entrevistapor telefone de sua casa em Pensacola, na Flórida. O norte-americano se recusa a desistir do sonho de disputaros Jogos Olímpicos de Pequim, em agosto, apesar de reconhecerque sua chance de buscar o ouro olímpico pode ter ido por águaabaixo com a suspensão de quatro anos por doping. Um painel da Associação Arbitral Americana (AAA) impôs aGatlin uma suspensão até maio de 2006 por um exame antidopingpositivo para a substância proibida testosterona em 2006. Ocaso foi o segundo de doping do velocista. Gatlin e seu advogado, Maurice Suh, recorreram da suspensãoà Corte Arbitral do Esporte (CAS) e aguardam o cancelamento doprimeiro caso positivo, de 2001. Naquele caso, o medalhista de ouro em Atenas-2004 teve umexame positivo para uma anfetamina contida em um medicamentoque ele tomou durante dez anos para déficit de atenção. Se o recurso for aceito, Gatlin receberia uma suspensão dedois anos pelo doping de 2006 e estaria liberado para competira partir de maio, um mês antes das seletivas norte-americanaspara os Jogos da China. "Ouvir as palavras 'eu posso correr' poderia despertar afera", disse Gatlin em entrevista na quarta-feira. "Acho que eu estaria melhor do que nunca, porque eu teriauma missão. Eu teria um propósito", acrescentou. "Não tenho dúvida que eu poderia estar na equipe (olímpicados EUA). Espero ter essa oportunidade." Gatlin treina diariamente, tanto na pista como na academia,para manter a forma de velocista, mas a vida está muitodiferente agora para o campeão mundial de 2005 dos 100m e 200m. "Algumas noites eu choro sozinho para dormir. Há noites emque eu não consigo dormir", disse ele. "Alguns dias eu pensoque tudo é um sonho ruim, eu só quero acordar disso."

GENE CHERRY, REUTERS

24 de janeiro de 2008 | 16h12

Tudo o que sabemos sobre:
ATLETISMOGATLINCORRER

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.