''Gestão do Eurico foi maléfica''

À frente do clube há seis meses, Dinamite encara o momento com otimismo, descarta o rebaixamento e promete títulos em 2009

Bruno Lousada e Sílvio Barsetti, O Estadao de S.Paulo

06 de dezembro de 2008 | 00h00

Roberto Dinamite eternizou seu nome na história do Vasco com muitos gols e títulos. Em campo, fazia e acontecia. Longe dos gramados, agora como presidente do time do coração, ele pode sofrer um duro golpe ao ver a equipe rebaixada para a Segunda Divisão do Campeonato Brasileiro. Seria, certamente, o dia mais triste do clube em 110 anos de fundação.Dinamite, no entanto, não quer pensar no pior. "Não trabalho com essa possibilidade. O Vasco vai permanecer na Primeira Divisão e ano que vem será um dos grandes clubes do País, com parcerias fortes", disse, esbanjando otimismo em meio a uma tempestade de críticas e de cobranças, até mesmo de ex-aliados. Empossado presidente do Vasco em 1º de julho, depois de desbancar nas urnas o até então imbatível Eurico Miranda, Dinamite, assumiu um clube endividado (cerca de R$ 250 milhões) e mergulhado numa crise financeira pior do que ele imaginava. Até a receita de televisão, estimada em torno de R$ 2 milhões mensais, está comprometida. "A perspectiva é a de montar uma equipe vencedora para a próxima temporada", afirmou Dinamite, o primeiro ex-jogador de renome do País a assumir um clube.Por que o Vasco chegou ao fundo do poço? Isso daí já vem ao longo do tempo. Todo direito de televisão, de R$ 2 milhões por mês, foi antecipado de junho de 2008 até junho de 2009. Temos de pagar funcionários sem ter em mãos a maior receita de todos os clubes: a da televisão. Esse é o ponto-chave do que está acontecendo aqui. Infelizmente, tivemos resultados ruins, fomos prejudicados às vezes pela arbitragem, mas faz parte do jogo. Temos de buscar as vitórias para reverter a situação. Qual a sua parcela de culpa nessa situação? É uma gestão muito curta (assumiu o clube em julho deste ano) para fazer uma avaliação. É complicado. Esperamos sair desse momento e criar um Vasco forte para o ano que vem. A perspectiva é a de conseguir parcerias e cumprir com as nossas obrigações. E aí fazer investimentos para ter uma equipe vencedora em 2009. O Vasco, atualmente, não tem o time dos sonhos. Não é o que eu queria, o que eu desejava.Quais os erros do Eurico? Não tenho muito o que falar desse cidadão. Ele nos deixou uma herança bem grande, com bastante dívidas. Ele deixou uma dívida dez vezes maior do que a grana que entrou nos cofres do clube pela venda de Phillipe Coutinho (meia de 16 anos). Vendê-lo (para o Internazionale de Milão, da Itália, por R$ 10 milhões) foi um erro. A gestão de Eurico foi maléfica para a instituição. Se for rebaixado, o Vasco se reerguerá rapidamente como o Corinthians?Nem trabalho com essa possibilidade. O Vasco vai permanecer na Primeira Divisão e, ano que vem, será um dos grandes clubes do País, com parcerias fortes. Só um exemplo: o clube recebia R$ 70 mil por mês de uma empresa de material esportivo e agora ganhará R$ 506 mil mensais. É uma diferença grande. E ainda tem o provável patrocínio da Eletrobrás, mas os valores ainda não foram definidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.