Giba, tudo certo para o casório com Pirv

Jogador da Seleção Brasileira de Vôlei, Giba sempre soube como lidar com problemas: o primeiro deles, e o mais grave, foi curar-se de uma leucemia aos 6 anos. Depois, ainda criança, caiu de uma árvore e quase perdeu o braço. Recuperado do escândalo mais recente - de doping por maconha, no fim de 2002 - garante que está muito feliz dentro e fora da quadra. No dia de Natal, se casará com Cristina Pirv na Transilvânia, na Romênia, país onde nasceu a namorada, que também joga vôlei na Itália. Giba fala sobre sua vida à Agência Estado.AE - O que representou a temporada de 2003 para você?Giba - Foi um ano lindo. Ganhamos tudo, exceto os Jogos Pan-Americanos de São Domingos. Mas os objetivos, que eram vencer a Liga Mundial e a Copa do Mundo, foram cumpridos. É uma satisfação enorme estar no grupo que conquistou o único título que faltava, no Japão. Além disso, todos do time estão jogando bem. Não tem vaidade nenhuma. Quando alguém não está legal não acha ruim ser substituído por outro.AE - O que foi mais marcante na temporada?Cada título tem seu diferencial, mas o importante foi darmos cada passo de uma vez. Acho que o mais importante foi este último título.AE - Como vai ser chegar à Olimpíada de Atenas/2004 como favorito ao ouro?Sabemos que chegamos a este nível e temos o respeito dos outros times. Mas até a Olimpíada ainda tem muita coisa, como a Liga Mundial, que é uma competição importante. Até lá, todos os times devem crescer. Mas todos sabem que a marca principal do técnico Bernardinho é nunca estacionar. Se pararmos, com certeza vão ganhar da gente. Por isso, teremos de treinar mais e mais.AE - O que mudou em você, da Olimpíada de Sydney/2000 a Atenas/2004?A experiência e a cabeça. Eu tinha 23 anos. Hoje, tenho mais tranqüilidade para trabalhar, principalmente porque meu lado afetivo, familiar, está maravilhoso. Cresci muito ao lado da Cristina, que me dá todo apoio que preciso.AE - Bernardo Rezende é o melhor técnico com quem você já trabalhou?Essa pergunta é muito difícil de ser respondida. Todo técnico tem uma característica particular. O Bernardo tem aquela coisa de que trabalhando se chega a algum lugar. E não é só ele, mas toda a comissão técnica é vencedora. Desde o Bernardo até a Roberta, que faz nossas estatíticas.AE - E quanto ao seu casamento com a Pirv?Estamos juntos desde janeiro deste ano, mas a gente já se conhece desde 1999, quando jogávamos no Minas. Só que ela era noiva e eu também não estava solteiro. No começo deste ano nos encontamos, solteiros. E aconteceu. Nosso namoro se fortaleceu porque logo no começo ela me ajudou demais com aquele problema no fim do ano passado (quando foi pego por doping de maconha e levou suspensão de nove jogos). Nas dificuldades é que vemos quem realmente gosta da gente. Vamos casar na Transilvânia, no dia 25.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.