Werther Santana/AE
Werther Santana/AE

Gilberto Kassab na briga pelo Centro de Mídia da Copa do Mundo de 2014

Cidade de São Paulo está na fase final do projeto e pretende apresentá-lo em breve à Fifa

Jamil Chade CORRESPONDENTE/ GENEBRA, O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2010 | 00h00

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, trabalha para que o Centro de Imprensa internacional e de transmissão dos jogos da Copa de 2014 seja instalado na capital paulista, e não no Rio, como havia sido acertado entre a Fifa e a CBF.

O Estado apurou que a Prefeitura está finalizando um plano para hospedar o Centro de Imprensa que, até o início da próxima semana, será apresentado oficialmente à CBF e à Fifa. Os valores do investimento não foram ainda anunciados. Mas, na Copa da África, estudos mostram que esse espaço de mídia teve mais impacto econômico que alguns estádios no interior do país.

Kassab confirmou que está trabalhando no projeto, mas preferiu manter em sigilo o local escolhido. "Vamos concluir o projeto nos próximos dias", declarou. Durante o Mundial de 2010, o prefeito chegou a citar essa possibilidade e visitou até o Centro de Imprensa de Johannesburgo.

Na época, quando se falava na hipótese de se construir um estádio em Pirituba, tinha em mente fazer o local de mídia no Anhembi. Mas, com a arena em Itaquera, é possível que haja mudança.

A proposta, porém, violaria acordo selado em 2007 entre José Serra (então prefeito), a CBF e Eduardo Paes (então secretário de Esporte do Rio). Pelo acerto, São Paulo ficaria com o congresso da Fifa e a abertura do evento, enquanto o Rio teria o Centro de Imprensa e a final. Esse espaço para a mídia é considerado o centro nevrálgico da imprensa na Copa, e atrai mais de 3 mil estrangeiros.

A CBF admite que a questão ainda não está fechada. E Ricardo Teixeira não descarta nem sua construção em Brasília.

Itaquera. Está tudo costurado para garantir que a arena em Itaquera seja o local de abertura da Copa. Nesta semana, o assunto será tratado por Teixeira, que está em Zurique. Na Prefeitura, a percepção é de que, se não for em Itaquera (já há até o compromisso da Odebrecht), dificilmente São Paulo será sede do primeiro jogo do Mundial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.