Ezra Shaw/AFP
Ezra Shaw/AFP

Ginasta americana faz história no Pan de Toronto

Filha de imigrantes chineses, Laura Zeng leva 5 medalhas de ouro

Nathalia Garcia, ENVIADA ESPECIAL A TORONTO, O Estado de S. Paulo

21 de julho de 2015 | 07h00

Nenhuma ginasta foi capaz de frear Laura Zeng nos Jogos Pan-Americanos. Em seu primeiro ano na categoria adulta, a norte-americana conquistou cinco medalhas nas provas individuais de ginástica rítmica - geral, arco, bola, maças e fita - em Toronto. E o mais importante: todas de ouro.

Sob a orientação da técnica bielo-russa Natalia Klimouk e da assistente búlgara Angelica Yovcheva, Zeng é fruto de um alto investimento dos Estados Unidos, que tem buscado a excelência no Leste Europeu, polo da ginástica rítmica, para seu desenvolvimento. “Elas eram ginastas, entendem pelo que passo, me dão um ótimo retorno e eu não estaria onde estou sem elas”, exalta.

Além da composição da comissão técnica, a equipe norte-americana tem feito clínicas na Rússia regularmente. “Os russos estão no topo, são os melhores. Eu estive lá algumas vezes treinando e aprendi muito, levei para os Estados Unidos muitas informações.” 

A atleta aproveita ainda as competições internacionais para ampliar o seu repertório. “Cada país tem seus elementos específicos, estilos, tento pegar um pouco de cada e melhorar o que já tenho”, afirma Laura. 

A influência chinesa foi a primeira adquirida pela ginasta, filha dos imigrantes Li Chen e Tian Zeng. Laura, de 1,57 m e 40 kg, é a primeira da família que nasceu nos Estados Unidos e tenta conservar a raízes de seus pais. A ginasta até fala um pouco de mandarim, mas enfatiza que compreende melhor do que consegue se expressar.

A irmã Yecca, estilista, foi responsável pela criação dos collants da atleta no início da carreira, mas hoje fica com o posto de “fã número 1”. A ginástica entrou na vida de Zeng aos 7 anos, antes disso tomava aulas de dança chinesa. “Amei a ginástica desde o primeiro contato e decidi continuar”, relembra. 

Os resultados não demoraram a aparecer, destaque para a medalha de bronze no individual geral nos Jogos Olímpicos da Juventude, em Nanquim. Aos 15 anos, a atleta disputou os Jogos Pan-Americanos pela primeira vez e, mesmo com resultados tão expressivos, não conseguiu driblar a ansiedade. “Estava nervosa, mas você só tem de focar no quanto trabalhou duro e no que pode fazer. Deixei o tablado com a sensação de que fiz o meu melhor. Quero continuar trabalhando e atingir o mais alto nível possível.”

O ótimo desempenho de Laura ofuscou as conquistas da também norte-americana Jasmine Kerber - prata no individual geral e bronze nas maças. 

Após o show no Pan de Toronto, Zeng entra para o hall das promessas para os Jogos do Rio. A ginasta é cautelosa: “Eu espero poder disputar, mas penso em uma coisa de cada vez, estou focada nas próximas competições.” A americana buscará a classificação olímpica no Mundial de Stuttgart, em setembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.