Julia Nagy/AP
Julia Nagy/AP

AO VIVO

Confira tudo sobre a Copa do Mundo da Rússia 24 horas por dia

Ginastas dos EUA depõem contra médico em audiência judicial

Larry Nassar já admitiu ter cometido crimes sexuais e foi condenado a 60 anos de prisão, mas pena pode aumentar

Estadão Conteúdo

16 Janeiro 2018 | 14h22

As ginastas dos Estados Unidos vão depor a partir desta terça-feira em audiência extraordinária que pode resultar em nova condenação ao médico Larry Nassar, em Michigan. Ele já admitiu ter cometido crimes sexuais contra as atletas e foi condenado em dezembro a 60 anos de prisão.

+ Sensação dos Jogos do Rio, Simone Biles afirma ter sido abusada sexualmente

+ Federação de Ginástica dos EUA teria comprado silêncio de campeã após assédio

Essa pena pode aumentar na sexta-feira, quando a juíza Rosemarie Aquilina pretende apresentar seu veredicto, após os testemunhos de quase 90 mulheres e garotas que devem falar diante do tribunal nos próximos dias.

A primeira a se manifestar na audiência foi a ginasta Kyle Stephens. "Estou testemunhando para que o mundo saiba que você é um mentiroso repulsivo. Talvez você só tenha percebido isso agora, mas garotas pequenas não permanecem pequenas para sempre. Elas crescem e se tornam mulheres fortes que destroem o seu mundo", declarou a atleta, que alega ter sofrido abuso sexual de Nassar quando tinha entre 6 e 12 anos.

Outro forte depoimento foi dado por Donna Markham, que culpou o médico pelo suicídio de sua filha, Chelsey, em 2009. Depois de ter sido abusada, ela teria passado a consumir drogas. "Tudo começou com ele", disse Markham.

A audiência está acontecendo na cidade de Lansing, no estado de Michigan, onde aconteceram os abusos sexuais. O médico cometeu os crimes enquanto trabalhava na Universidade Estadual de Michigan, em seu escritório e também como médico da seleção norte-americana de ginástica artística.

Nassar admitiu ter abusado sexualmente das ginastas, possuir pornografia infantil, além de ter molestado as meninas que buscavam tratamento médico. Ele foi condenado em dezembro a 60 anos em prisão federal por possuir pornografia infantil e enfrenta acusações de mais 40 a 125 anos de prisão depois de se declarar culpado de abusar de sete meninas. O tempo de 125 faz referência o número de mulheres e garotas que reportaram alguma acusação contra ele.

O médico voltou a ser notícia ainda na segunda, antes do início da audiência, nesta terça, após revelações da ginasta Simone Biles. Fenômeno da modalidade, a dona de quatro medalhas de ouro e cinco no total nos Jogos Olímpicos do Rio-2016 disse que também foi alvo de Nassar.

Ela se juntou a uma lista de ginastas de alto nível que denunciaram Nassar, incluindo a seis vezes medalhista olímpica Aly Raisman, a campeão mundial de 2012 Gabby Douglas e a duas vezes medalhista olímpica McKayla Maroney.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.