Gregory Bull/AP
Gregory Bull/AP

Ginástica brasileira estreia no Pan na briga por medalha em equipes

Atletas também tentam se garantir em finais individuais em Toronto

NATHALIA GARCIA - enviada especial a Toronto, O Estado de S. Paulo

11 de julho de 2015 | 09h09

De olho em seu principal objetivo nos Jogos Pan-Americanos de Toronto, a seleção brasileira masculina de ginástica artística estreia neste sábado, às 15h30. Os ginastas brigarão por medalha na disputa por equipes e individualmente tentam também se classificar para as finais por aparelhos. O País será representado por Arthur Zanetti, Arthur Nory Mariano, Caio Souza, Francisco Barretto Júnior e Lucas Bitencourt (Petrix Barbosa fica na reserva).

A prova começa pela subdivisão um. Além do Brasil, Estados Unidos, Canadá, Porto Rico, Costa Rica, República Dominicana e Colômbia compõem a primeira rodada de disputa. Um sorteio definiu que os brasileiros iniciam a participação nas barras paralelas, passam à barra fixa, ao solo, vão ao cavalo com alças, às argolas e fecham a sexta rotação no salto.

Assim como no treino de pódio, Chico está fora de solo e cavalo, Nory não subirá nas argolas e Zanetti está descartado do cavalo, das barras paralelas e fixas. A ordem dos ginastas foi escolhida pela comissão técnica de acordo com a estratégia adotada pelo grupo.

Sem nunca ter subido ao lugar mais alto do pódio na história no Pan, Zanetti também tem suas metas individuais. "A gente quer a melhor pontuação possível por equipes e cada atleta tem o seu objetivo particular. O meu é trazer um resultado bom nas argolas", afirma.

Nos outros dois aparelhos que disputará, o especialista nas argolas não tem muita convicção sobre seu desempenho. "É mais para ajudar a equipe mesmo, não para querer disputar medalha. Se passar para a final, é lucro. Se passar, passou e vou tentar fazer a melhor coisa na final."

A equipe campeã só será conhecida depois da apresentação dos países da subdivisão dois, a partir das 20h30 (de Brasília). Atletas de Argentina, Bolívia, Venezuela, Panamá, Guatemala, Chile, México, Peru, Equador, El Salvador e Cuba já entram no Toronto Coliseum, local onde será a competição, com conhecimento da nota dos outros concorrentes. Para o Brasil, a prova representa um teste para o Mundial de Glasgow, Escócia, onde a classificação olímpica da seleção brasileira estará em jogo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.