Ginástica do Brasil já impõe respeito

Ao chegarem a Curitiba nesta terça-feira, trazendo uma medalha de bronze e outra de prata conquistadas nas etapas da França e Alemanha da Copa do Mundo de Ginástica, Daniele Hypólito e Daiane dos Santos fizeram uma importante constatação. "A ginástica nacional está muito bem, está impondo respeito no mundo inteiro", afirmou Daniele, a principal atleta do País na modalidade.A causa desse reconhecimento são os excelentes resultados conseguidos pelas ginastas brasileiras nas competições internacionais. Exemplo disso foi a prata conseguida por Daniele nos exercícios de solo na etapa da França e o bronze de Daiane na Alemanha, também no solo."Somos a equipe que mais cresceu na ginástica. A gente ouviu muitos elogios ao Brasil. Estamos supergratificadas", contou Daiane. Segundo ela, não há qualquer surpresa na conquista das medalhas pelas brasileiras. "O resultado é apenas a conseqüência do que apresentamos."Festejada pela presidente da Confederação Brasileira de Ginástica, Vicélia Florenzano, Daiane tinha muito mais a comemorar. No ano passado, quase não pôde competir, em razão de uma ruptura no tendão patelar esquerdo. "Já tive outras conquistas internacionais, mas esta medalha tem um gosto especial, pois vim de um ano muito difícil", lembrou a ginasta. "Agora estava e estou superbem." Isso tudo só traz mais segurança para as brasileiras na disputa do Pan-Americano e do Mundial, ambos em agosto. "Tem mais medalhas", prometeu Daiane. "Vamos para a Olimpíada e com certeza teremos medalhas", completou Daniele, já pensando nos Jogos de Atenas, em 2004.Segundo Daniele, o Brasil "só tem a crescer" até o Mundial, que será realizado em Anahein, nos Estados Unidos. "Esta foi a primeira competição do ano e foi muito boa. O Brasil está preparado e só tem a melhorar os resultados em outras competições", assegurou. "Mas, apesar da medalha de prata no peito, tem que continuar treinando mais e mais." Daniele revelou que no início de seu trabalho não imaginava que o Brasil pudesse alcançar o nível atual. "Mas agora sabemos que o Brasil é capaz e que temos chances de ir à Olimpíada com a equipe." A presidente da Confederação Brasileira de Ginástica não tem dúvidas de que vai classificar uma equipe para a final do Mundial, se possível entre os seis melhores. "E vamos ganhar também na Olimpíada", confia Vicélia. Segundo ela, a atual seleção está pronta e a entidade já começa a pensar numa equipe para 2007."Temos talentos, planejamento, recursos (a Lei Piva garantiu R$ 900 mil no ano passado e há previsão de R$ 1 milhão este ano) e equipamentos novos", explicou a dirigente. "Por isso, nossas ginastas são aplaudidas em pé nos campeonatos internacionais."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.