Ginástica romena vive sua pior crise

A equipe feminina de ginástica da Romênia, que conquistou quatro medalhas de ouro nos Jogos Olímpicos de Atenas/2004, está sem técnico. A saída dos dois treinadores - Octavian Belu e Mariana Bitang - foi pelo escândalo envolvendo a ginasta Oana Petrovschi. Medalha de prata no Mundial/2002, Petrovschi disse que os técnicos ficavam com parte do prêmio que ganhava (mais de US$ 50 mil) e ainda que foi obrigada a competir com contusão nas costas. Belu confirmou que recebia dinheiro, mas achava que era "uma forma de gratidão da ginasta pelos resultados alcançados".As romenas estão preocupadas, já que o Campeonato Europeu e o Mundial estão se aproximando. "Não conseguimos nos concentrar. Ficamos esperando o senhor Belu entrar por aquela porta", diz Catalina Ponor, que ganhou três medalhas de ouro em Atenas. "O clima aqui não é o mesmo sem os treinadores", acrescentou a ginasta, que treina na cidade de Deva, a 450 quilômetros de Bucareste.Crise - Belu, no cargo por 25 anos, conquistou mais de 300 medalhas com a equipe romena de ginástica. O presidente da Federação Romena, Nicolae Vieru, afirma: "As meninas só ouviam as ordens de Belu e Bitang." O treinador substituto, Lucian Sandu, também está quase entregando os pontos: "Precisamos nos preparar bem para as competições, mas sabemos que este ano as chances de termos excelentes performances são pequenas."

Agencia Estado,

23 de fevereiro de 2005 | 09h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.