Giovane confirma o fim da carreira

Bicampeão olímpico, Giovane recebeu um convite para virar dirigente e resolveu deixar as quadras. Ele será o novo gerente da Unisul, equipe que defendeu na última Superliga. Ocupará justamente o lugar de outro ídolo do vôlei brasileiro, Renan, que voltará a ser treinador, de um time a ser criado em Florianópolis.Aos 34 anos, Giovane já tinha admitido se aposentar quando a Unisul foi eliminada pelo Banespa nas quartas-de-final da Superliga, há 10 dias. E, quando o veio o convite para ser dirigente da equipe catarinense, resolveu parar de jogar. Giovane é um dos únicos atletas do País a ganhar duas medalhas olímpicas de ouro. Ele esteve na conquista do vôlei brasileiro em Barcelona/92 e em Atenas/2004. Maurício (também do vôlei), Adhemar Ferreira da Silva (atletismo), Robert Scheidt, Torben Grael e Marcelo Ferreira (todos do iatismo) foram os outros brasileiros a conseguir tal feito.?Só pararia se aparecesse uma boa oportunidade. E essa é uma boa chance?, explicou Giovane, que pretende ter mais tempo para escrever um livro, dar palestras e acompanhar de perto a gravidez da esposa, Priscila. Ele, inclusive, dará uma entrevista coletiva nesta terça-feira para explicar melhor a sua decisão.Vaivém - Enquanto Giovane deixa as quadras, Renan está voltando. Medalhista de prata nos Jogos Olímpicos de Los Angeles, em 1984, ele aceitou ser o técnico da nova equipe que será montada em Florianópolis, com patrocínio da Cimed.Com isso, Renan retoma a função de técnico, da qual está afastado há seis anos - começou na carreira em 1993, mas desde 99 era dirigente da Unisul. "Eu havia trazido a Cimed para cá (Florianópolis), eles gostaram da experiência e quiseram montar uma equipe, mas desde que eu assumisse a função de técnico. Resolvi retomar o desafio", explicou.Antes de sair, Renan desejou boa sorte ao substituto. "O Giovane fará um bom trabalho. Ex-jogadores podem desenvolver projetos sólidos, conhecem as dificuldades, sabem sobre as peculiaridades do esporte. Eu vou ser como o Bernardinho no Rexona, técnico e coordenador do projeto", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.