Goiás, de olho no topo, pega Santos em alta

Goianos buscam se manter firmes na briga pelas primeiras posições; paulistas miram o G-4

Sanches Filho, SANTOS, O Estadao de S.Paulo

23 de agosto de 2009 | 00h00

Sem perder desde a derrota para o Flamengo, na Vila Belmiro, no dia 26 de julho, o Santos vai tentar hoje, contra o Goiás, fora de casa, ampliar a série invicta para seis jogos para, assim, se aproximar do grupo que se classifica para a Libertadores de 2010. A meta estabelecida por Vanderlei Luxemburgo é a soma de 10 pontos em quatro jogos. A série começou com a vitória sobre o Grêmio, por 1 a 0, mas o grande teste em relação às possibilidades de atingir o objetivo será esta noite, pois o adversário faz ótima campanha e está entre os primeiros colocados. Depois, o Santos pega Internacional, quarta-feira, e Fluminense, no próximo domingo, ambos na Vila Belmiro. O Goiás também tem suas metas. Ambiciona o título e, para isso, é fundamental vencer seus jogos no Serra Dourada. Assim, todo expediente é válido, acredita o técnico Hélio dos Anjos, que não confirmou a escalação da equipe nem quis dizer se vai promover a estreia de Fernandão. "O que precisamos, o que importa, é buscar nossos objetivos??, disse Hélio.Luxemburgo não se importa com os segredos do rival. Por seus cálculos, cumprindo a meta que estabeleceu até o jogo com o Fluminense, o Santos entrará no G-4. "E, depois disso, vamos começar a pensar em título. Ainda tem muita coisa por acontecer e só daqui a seis ou sete rodadas a situação começará a se definir", afirmou Luxemburgo, que aposta na experiência de Kléber Pereira para surpreender no Serra Dourada. "Mas, se vencermos o Goiás, vamos a 31 pontos, ficando mais perto do G-4 e recuperando parte do que deixamos para trás."No Brasileiro de 2008, o Santos, sob o comando de Cuca, foi goleado por 4 a 0 pelo Goiás, na Vila Belmiro, e já com Márcio Fernandes como treinador perdeu por 4 a 1, no Serra Dourada. No primeiro turno deste ano, o resultado foi empate por 3 a 3. Embora a campanha no geral seja regular, o time ainda está longe de repetir o bom futebol apresentado nas últimas rodadas da fase de classificação e nas semifinais do Campeonato Paulista, eliminando o favorito Palmeiras. Uma das razões é a queda de produção de Neymar, principal destaque do primeiro semestre. Agora, no entanto, seu desempenho começa a melhorar e o Santos está voltando a crescer. COLABOROU RUBENS SANTOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.