Goiás pára reação do Santos

No Serra Dourada, time paulista perde pênalti e cai depois de quatro jogos sem derrota

Giuliano Villa Nova, O Estadao de S.Paulo

07 de julho de 2026 | 00h00

O Santos esbarrou na forte marcação do Goiás e nos próprios erros de finalização - Marcos Aurélio perdeu um pênalti, no segundo tempo - e caiu por 1 a 0, ontem, no Serra Dourada, em Goiânia. O revés interrompe a reação do time paulista, que vinha de quatro jogos sem derrota no Campeonato Brasileiro: parou nos 18 pontos, em 12º lugar. ''''Vínhamos jogando bem e fazendo os gols. Desta vez, também tivemos uma boa atuação, mas não aproveitamos as chances que criamos'''', resumiu o meia Rodrigo Tabata.O primeiro tempo foi de muita movimentação, mas raros chutes ao gol. O time da casa insistia bastante nas jogadas pela esquerda, com Paulo Baier e Elson, e chegou com mais perigo. Welliton teve chance real de gol, quando recebeu na área, num lance rápido, chutou forte, mas sem direção.O meio-campo do Santos não teve liberdade para criar jogadas, já que Pedrinho e Rodrigo Tabata estavam bem marcados e não repetiram as últimas boas atuações. Mesmo assim, os visitantes ainda tiveram ótima oportunidade, quando o centroavante Kléber Pereira foi lançado, limpou dois zagueiros, mas chutou por cima. Como estava difícil entrar na área, Dionísio arriscou de longe, e a bola passou com muito perigo.''''O Goiás é muito forte quando atua no Serra Dourada. Deveríamos ter tido mais paciência para enervá-los e aproveitar as falhas deles'''', lamentou Pedrinho, substituído no segundo tempo por Renatinho.MELHOR CHANCEO Santos parecia mais aceso na volta do intervalo. Pressionou e teve a chance de fazer o placar, quando Marcos Aurélio sofreu pênalti. O próprio camisa 7 cobrou, mas chutou para fora, à esquerda de Harlei.Depois de perder a melhor chance do jogo, os visitantes se desorganizaram e deram espaço para o adversário. Welliton, livre na área, teve tempo de receber, dominar, e chutar no canto de Fábio Costa. Rodrigo Souto chegou atrasado na marcação e viu a bola balançar as redes. Os goianos tiveram outra excelente oportunidade, quando Fábio Costa defendeu uma cabeçada à queima-roupa do próprio Welliton - que pode ter feito sua despedida do Goiás, já que está sendo negociado com o futebol europeu, provavelmente da Rússia.Desorganizado, e com Kléber Pereira muito isolado na frente, o Santos tentou, em vão, a igualdade. O time da casa não foi um primor de técnica, mas teve o mérito de segurar o resultado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.