Gol no fim dá título da Taça Rio ao Botafogo

Equipe faz 1 a 0 no Flu e agora pega o Flamengo na decisão do Estadual

Bruno Lousada, Rio, O Estadao de S.Paulo

21 de abril de 2008 | 00h00

O zagueiro Renato Silva nunca mais se esquecerá do dia 20 de abril de 2008. Ele foi o herói do Botafogo na conquista do bicampeonato da Taça Rio: fez o gol da vitória da equipe alvinegra sobre o Fluminense, por 1 a 0, diante de um Maracanã lotado. De quebra, garantiu o time de General Severiano nos dois jogos decisivos do Campeonato Carioca, contra o Flamengo.''O gol foi muito importante para mim. Não sei nem o que falar'', desabafou Renato Silva, de 24 anos, cujo feito soou como vingança ao Fluminense. Em 2007, flagrado no exame antidoping por uso de maconha, saiu pelas portas do fundo do clube tricolor. Dispensado e sem emprego, cumpriu uma punição de 120 dias. O técnico Cuca, com quem havia trabalho no Flamengo, o indicou para reforçar o Botafogo no ano passado.No transcorrer do Carioca, chegou a receber proposta do São Paulo e de um time do exterior. Optou por permanecer ao lado de Cuca. Não se arrependeu. Ontem, estava iluminado. Aos 39 do segundo tempo, o Botafogo tinha um homem a menos - Alessandro fora expulso -, mas sua estrela brilhou. O defensor escorou cruzamento do atacante Fábio e enterrou o Fluminense, que este ano perdeu os três duelos para o alvinegro.''Foi uma vitória heróica, na base do coração, com muita vontade e dedicação. Enfrentamos um time de muita qualidade. Digo até que o Fluminense é um dos mais fortes do Brasil'', afirmou o meia Lúcio Flávio.O Botafogo só precisa conter mais os nervos em decisões. Nos minutos finais, o atacante Jorge Henrique deu uma entrada dura no lateral Júnior César e foi corretamente expulso. Saiu de campo chorando e agora está fora da primeira partida da final do Carioca, contra o Flamengo. ''A expulsão não foi o que desejava'', disse, sem explicar coisa alguma.Clube carioca que mais investiu em reforços, o Fluminense ficou devendo. O atacante Washington ainda desperdiçou um pênalti na etapa inicial. No Botafogo, quem faz a diferença é o conjunto. Dono da melhor campanha da Taça Rio, o Botafogo joga um futebol vistoso e dinâmico. Nada mais justo que soltar o grito de ''é campeão!''.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.