Governo bate duro no estudo dos aeroportos

O Planalto reagiu ontem de forma dura à divulgação de um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), na semana passada, apontando que nove dos 13 aeroportos das cidades-sede da Copa de 2014 não ficarão prontos a tempo para os jogos (Manaus, Fortaleza, Brasília, Guarulhos, Salvador, Campinas, Cuiabá, Belo Horizonte e Porto Alegre). Num tom inusitado nestes tempos mornos de governo Dilma Rousseff, o ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria-Geral da Presidência, afirmou que "muita gente profetiza desgraça" e "torce contra". "Há setores da sociedade que ainda não venceram o complexo de vira-lata."

Leonencio Nossa e Fábio Graner / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

20 de abril de 2011 | 00h00

Carvalho admitiu, porém, que as obras entrarão numa fase de aceleração. "Não há clima de desespero. A Copa vai acontecer, e bem. Vamos cumprir tudo o que acertamos com a Fifa. O governo está atento e não há desespero nem irresponsabilidade na execução das obras. Respeitaremos todas as normas necessárias."

O ministro disse que o estudo representa uma visão particular de um pesquisador que "juntou recortes de jornais". "Não estamos nem um pouco preocupados com o relatório dessa pessoa do Ipea. Ela não representa a visão do Ipea e do governo." O estudo foi apresentado pelo coordenador de Infraestrutura Econômica do Ipea, Carlos Campos Neto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.