Governo quer Daniele em comercial

Os frutos pela medalha de prata no Mundial da Bélgica começaram a aparecer para Daniele Hypólito, que desembarcou no Aeroporto Internacional Tom Jobim nesta quarta-feira. O Ministério dos Transportes informou que já está em contato com a família da atleta para ela estrelar uma campanha de prevenção a acidentes de trânsito. A atleta foi uma das vítimas do acidente, na Via Dutra, com o ônibus que levava a equipe do Flamengo para uma competição em Curitiba, em, 1997. Daniele sofreu apenas um pequeno corte, mas a sua técnica, Georgette Vidor, ficou paraplégica. O valor do cachê a ser pago a Daniele ainda não foi divulgado. Depois de uma hora fazendo compras no Free-Shop, Daniele saiu às 10h55 no saguão do aeroporto ainda sem saber do apoio ministerial. Em meio a um tumulto, por causa do elevado número de jornalistas, amigos, familiares e curiosos, a ginasta mandou um recado para o presidente do Flamengo, onde treina. "Por enquanto não vou cobrar nada?, disse a atleta, que está há quatro meses sem receber. ?Sei de todas as dificuldades que o clube está passando", afirmou a Daniele, refutando a possibilidade de deixar o Rubro-Negro. "Mesmo se recebesse uma proposta internacional dificilmente sairia do meu país." Apesar do entusiasmo - Daniele diz que agora treinará para conquistar o ouro olímpico em 2004 - , o futuro ainda incerto preocupa a atleta de 17 anos, que cobrou maior apoio e respeito à Ginástica Olímpica. Segundo ela, enquanto as atletas romenas participam de 12 competições mundiais por ano, as brasileira disputam, no máximo, três. "Somos obrigadas a fazer milagres", lamentou. Daniele chegou acompanhada de sua técnica, Georgette Vidor. A treinadora frisou que outras atletas brasileiras, além da medalhista de prata do Mundial, também têm potencial para brilhar no cenário internacional, desde que recebam um patrocínio. Georgette revelou que, se não fosse o "jeitinho brasileiro", a medalha de prata poderia ter escapado da brasileira. A treinadora explicou que Daniele cometeu dois erros em sua apresentação, mas conseguiu incorporá-los a sua coreografia, "enganando" os juízes. A treinadora de Daniele aproveitou a oportunidade para alfinetar as Confederações Brasileiras de Voleibol e Basquete (CBV e CBB). "Imagina se tivéssemos a estrutura deles", disse Georgette. "Vôlei e basquete só podem trazer duas medalhas olímpicas. Nós podemos conquistar até 16 (uma por equipe; três na disputa individual; três no salto sobre o cavalo; três na trave; três no solo; e três nas barras assimétricas)." Otimista, Georgette previu que se os Jogos Olímpicos fossem realizados hoje, Daniele poderia brigar por uma medalha nos exercícios de solo e na trave. Já Daiane dos Santos, quinta colocada na disputa individual na Bélgica, teria chances no solo e no salto sobre o cavalo. Do aeroporto, Daniele foi para casa descansar. Em seguida, almoçou em uma churrascaria e, no início da noite, participou de uma festinha promovida por suas amigas no Flamengo. A homenagem oficial do clube acontece no sábado e terá a participação de atletas como o "mão-santa" Oscar. Enquanto esperava pelo desembarque de Daniele, a presidente da Confederação Brasileira de Ginástica (CBG), Vicélia Florenzano, comemorava as propostas recebidas pelo País, por causa do desempenho no Mundial. Segundo ela, a delegação brasileira foi convidada para estagiar por 15 dias na Bulgária, antes do próximo Mundial, em 2003. Além deste convite, a Suíça pediu autorização para vir realizar treinamentos no Brasil. Florenzano acrescentou que já está em contato empresas para viabilizar patrocínios para a entidade. O ministro do Esporte e Turismo, Carlos Melles, convidou Daniele e Daiane e suas respectivas técnicas, Georgete e Adriana Alves, para serem homenageadas amanhã, em Brasília. A homenagem acontecerá no encontro nacional de Municipalização do Turismo, no Pavilhão de Exposições do Parque da Cidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.