GP alemão pode dar a renovação para Massa

Se o brasileiro fizer boa corrida domingo, há a grande chance de a Ferrari ficar com o piloto na temporada de 2013

LIVIO ORICCHIO , ENVIADO ESPECIAL / HOCKENHEIM, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2012 | 03h04

A etapa de Hockenheim do campeonato não poderia vir em melhor hora para Felipe Massa. O seu retrospecto nas corridas que realizou com a Ferrari na pista alemã é excelente e o seu momento no campeonato, de ascensão. Outro desempenho convincente como o de Silverstone, dia 8, quando terminou na quarta colocação, pode levar Stefano Domenicali, diretor da Ferrari, a se definir de vez pela renovação do seu contrato, desde que, claro, concorde em reduzir o salário, acertado quando a realidade econômica do mundo era outra e Massa um piloto capaz de disputar o título.

Os treinos livres do GP da Alemanha começam hoje, em Hockenheim. Com o time italiano, Massa classificou-se em segundo em 2006, temporada de estreia na Ferrari, terceiro em 2008 e segundo, novamente, em 2010. Em 2007, 2009 e 2011 a etapa da Fórmula 1 na Alemanha foi realizada em Nurburgring, autódromo que atravessa grave crise financeira. Massa, portanto, chegou ao pódio nas três vezes que correu com Ferrari em Hockenheim. "Gosto dessa pista, sempre andei bem aqui. Espero lutar agora novamente pelo pódio e por que não a vitória."

A última edição do GP da Alemanha em Hockenheim, há dois anos, marcou a carreira de Massa. Parte importante dos fãs brasileiros que conquistou bravamente com a disputa do título de 2008, por exemplo, até a última volta da etapa de encerramento do campeonato, em Interlagos, Massa perdeu naquele 25 de julho de 2010.

"Felipe, Fernando is faster than you", ouviu do seu engenheiro, Rob Smedley, no rádio. Tradução: "Felipe, Fernando está mais rápido do que você". Era a senha combinada para deixar Alonso ultrapassá-lo a fim de vencer o GP da Alemanha. Massa recebeu a bandeirada em segundo. Nunca mais foi o mesmo para parte dos brasileiros. "Mercenário" é o mínimo que se ouve dele ainda hoje. Ainda estava bem viva na mente dos torcedores a mesma reação de Rubens Barrichello com Michael Schumacher, também na Ferrari, no GP da Áustria de 2002.

"Não posso dizer que foi o fim de semana mais agradável da minha vida. Mas sou um profissional e se acontecer de novo farei de tudo para ajudar minha equipe, o meu companheiro, líder do campeonato", afirmou, ontem, Massa. Depois de nove etapas, Fernando Alonso está em primeiro no Mundial, com 129 pontos, seguido por Mark Webber, da Red Bull, 116, e seu companheiro, o atual bicampeão do mundo, Sebastian Vettel, 100.

Por começar a reagir apenas na corrida de Mônaco, sexta do calendário, Massa soma somente 23 pontos, 13.º na classificação. Está fora da luta pelo campeonato. "Meu objetivo é terminar o Mundial entre os cinco primeiros." Apesar de até 2010 sempre se mostrar veloz em Hockenheim, desta vez Massa vai enfrentar Alonso no melhor momento da carreira, segundo o próprio espanhol definiu, ontem, no autódromo alemão. "A não ser por um erro no Q2 da classificação na Austrália, o restante faria exatamente igual ao que fiz até agora na temporada", afirmou.

"Tudo está saindo muito bem este ano. Nos campeonatos anteriores sempre havia algo para atrapalhar, sentia dor durante a corrida no ombro, no joelho. Agora, nada", falou feliz da vida Alonso. "Nunca estive tão bem fisicamente e isso também ajuda a explicar os resultados na pista."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.