Ferenc Isza/AFP
Ferenc Isza/AFP

Grã-Bretanha fatura bicampeonato mundial no 4x200m em Budapeste

Stephen Milne, Nicholas Grainger, Duncan Scott e James Guy conquistaram o ouro

Estadão Conteúdo

28 de julho de 2017 | 14h50

A equipe do revezamento 4x200 metros livre da Grã-Bretanha conquistou nesta sexta-feira o bicampeonato mundial da prova, no Mundial de Esportes Aquáticos de Budapeste, na Hungria. Com uma forte reação no fim, os britânicos desbancaram russos e norte-americanos para vencer com o tempo de 7min01s70.

Stephen Milne, Nicholas Grainger, Duncan Scott e James Guy comandaram o time britânico, que nadou quase três segundos mais rápido a prova desta sexta, em comparação há dois anos. Guy é o único remanescente do ouro conquistado no Mundial de Kazan, na Rússia.

A medalha de prata ficou com a Rússia, com 7min02s68. Também exibindo reação, os russos superaram os americanos no trecho final da prova. Prata em Kazan, o time dos EUA desta vez teve que se contentar com a medalha de bronze, após marcar o tempo de 7min03s18.

Em provas individuais, o brasileiro Henrique Martins, Destaque nas eliminatórias, pela manhã, voltou a cometer erro na chegada dos 100 metros borboleta e não conseguiu avançar à final. Com o tempo de 51s47, foi o sexto de sua bateria e o 11º lugar na semifinal - somente os oito melhores foram à decisão da medalha.

Martins acabou sendo um centésimo mais veloz nas semifinais. No entanto, não encaixou a braçada final na batida e perdeu tempo precioso que poderia lhe dar vaga na final. "No finalzinho cansei bastante. E na chegada perdi 10 ou 15 centésimos, o que poderia me levar à final. Cometi esse erro de manhã e agora à tarde de novo. Ou seja é algo que precisa ser treinado", disse Martins, em entrevista ao Sportv.

Na final dos 200 metros costas masculino, o russo Evgeny Rylov desbancou o campeão olímpico, o norte-americano Ryan Murphy. Ele faturou o ouro ao marcar 1min53s61, novo recorde europeu da prova. Murphy não passou do 1min54s21. O bronze ficou com outro americano, Jacob Pebley, com 1min55s06.

A Rússia também faturou o ouro nos 200 metros peito. Anton Chupkov bateu o recorde do campeonato ao terminar a prova com o tempo de 2min06s96. O Japão fez uma dobradinha no pódio, com Yasuhiro Koseki (2min07s29) e Ippei Watanabe (2min07s47), com prata e bronze, respectivamente.

 

FEMININO

Na final dos 100 metros livre, a atual campeã olímpica confirmou o favoritismo. A norte-americana Simone Manuel bateu na frente, com o tempo de 52s27. A sueca Sarah Sjostrom levou a prata, com 52s31, e a dinamarquesa Pernille Blume faturou o bronze, com 52s69.

Campeã olímpica da mesma prova no Rio-2016 (ela empatou com Simone Manuel), a canadense Penny Oleksiak não repetiu a performance. Ficou apenas com a sexta colocação, com 52s94. No ano passado, americana e canadense registraram o exato mesmo tempo de 52s70.

Na decisão dos 200 metros peito, a russa Yuliya Efimova faturou o ouro. A nadadora, com histórico de doping e recordes, registrou 2min19s64. Conquistou, assim a segunda medalha no Mundial de Budapeste. Antes, faturou o bronze nos 100 metros peito. A americana Bethany Galat levou a prata nesta sexta, com 2min21s77. A chinesa Shi Jinglin conquistou o bronze, com 2min21s93.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.