Grã-Bretanha se reúne após 40 anos inativa para disputar Olimpíada

A última vez que a Grã-Bretanha disputou um jogo oficial de futebol foi 1972

Mateus Silva Alves, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2012 | 03h03

SAINT ALBANS - Quando o adversário do Brasil entrar nesta sexta-feira no gramado do Estádio Riverside, será impossível deixar de sentir uma sensação estranha. Afinal de contas, o time da Grã-Bretanha só abandonou seus 40 anos de inatividade por causa dos Jogos, e é muito provável que novamente deixe de existir depois do torneio. A missão dos britânicos é ganhar a medalha de ouro em casa, mas nem mesmo seus torcedores mais otimistas parecem acreditar nisso.

A última vez que a Grã-Bretanha disputou um jogo oficial de futebol foi no torneio classificatório para os Jogos de 1972. Não foi uma boa despedida, já que a equipe ficou fora do torneio olímpico. De lá para cá, o time caiu em sono profundo, do qual só foi despertado porque a Olimpíada será em Londres e o país-sede tem de participar de todas as disputas. Aí surgiu o problema: para a Fifa, Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte são unidades separadas, mas para o COI é diferente.

Nenhum escocês foi chamado pelo técnico Stuart Pearce, um inglês, para os Jogos. E nenhum norte-irlandês. São 13 ingleses e cinco galeses. A maior estrela é o veterano meia Ryan Giggs, de 38 anos, que ganhou um prêmio de consolação por jamais ter disputado uma Copa do Mundo com o seu País de Gales. "Nunca imaginei que algo assim fosse acontecer comigo", disse Giggs, referindo-se à experiência de disputar uma Olimpíada. "Quero desfrutar de cada momento disso. É algo que vou guardar para o resto da minha vida."

O superastro David Beckham também queria disputar os Jogos. Para ele, seria uma bela maneira de se despedir da seleção de seu país. O problema é que Pearce decidiu que ter dois veteranos no time seria demais e deixou fora o craque, que joga nos Los Angeles Galaxy (EUA). Os outros dois com mais de 23 anos chamados foram o lateral-direito e zagueiro Micah Richards, do Manchester City, e o atacante Craig Bellamy, do Liverpool.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.