Gramado do Palestra ainda preocupa atletas

Vanderlei Luxemburgo e os jogadores bem que tentam não criticar a reforma no gramado do Palestra Itália. O treinador, na quinta-feira, disse que não ia "prejulgar, vamos esperar acontecer o jogo". Já o goleiro Marcos afirmou ontem que os quatro jogos que o time fez em sua casa não foram os melhores possíveis. "A gente precisa se acostumar a jogar no Palestra novo. É por isso que às vezes treinamos lá."Além da mudança na grama - a antiga era mais dura e a bola quicava muito -, o campo recebeu novas dimensões. Aumentou em seis metros no comprimento. Para Marcos, o novo tamanho só ajuda quando o jogo é contra adversários que jogam retrancados. Contra o São Paulo, acredita o goleiro, o Palmeiras não terá muita vantagem."A torcida vai pressionar mais do que no Morumbi, mas lá dentro (do campo) não muda não", disse o pentacampeão mundial. "A gente reclamava que alguns times jogavam muito atrás e dificultava nossa produção. Pedimos para o campo ficar mais comprido."A idéia de Luxemburgo era realizar um treinamento ontem no Palestra Itália. Mas a programação foi mudada para não prejudicar o gramado do estádio e o time trabalhou no Centro de Treinamento.Nos quatro jogos realizados no Palestra, não faltaram reclamações dos palmeirenses. Três shows foram realizados no estádio durante esse período, o que prejudicou ainda mais o gramado - sem contar a chuva que castigou a cidade e que, se cair nesse fim de semana, atrapalhará mais o espetáculo."Parecia que a gente tinha saído da guerra, todos ralados. Tinha muita terra no campo", disse Marcos. "Mas não é momento de falar nisso. Se fosse no asfalto a gente jogava de qualquer jeito."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.