Grécia faz gol nos acréscimos e vai às oitavas de final

Pela primeira vez em Copas, o time grego passou da fase de grupos e irá enfrentar a Costa Rica, no próximo domingo, no Recife

Marco Justo Losso, Agência Estado

24 de junho de 2014 | 19h09

Grécia e Costa do Marfim entraram no Castelão, em Fortaleza, para definir a última vaga do Grupo C para as oitavas de final da Copa do Mundo. Em duelo emocionante até o final, os gregos conseguiram virar o placar no último minuto e venceram por 2 a 1, carimbando a vaga pela primeira vez na história na segunda fase de um Mundial. Agora, encaram agora a Costa Rica, na Arena Pernambuco, no Recife, no domingo, às 17 horas.

O lance decisivo do duelo foi o pênalti cometido por Sio em Samaras, já nos acréscimos. A derrota estabelece o fim da maior geração marfinense da história, com Drogba, Yaya Touré, Gervinho e Kalou, sem conquistar nenhum grande triunfo de expressão nas competições internacionais. E a Grécia resgata a lembrança da Eurocopa de 2004, quando venceu a competição em Portugal derrotando os donos da casa.

O JOGO

A partida começou muita pegada, com jogadas ríspidas e muito contato entre gregos e marfinenses. Numa destes lances, Drogba, que entrava pela primeira vez como titular da equipe, cabeceou sem querer o lateral Cholevas, que ficou reclamando do choque. A partida seguiu e os africanos quase chegaram ao gol europeu, com boa jogada entre Drogba e Gervinho.

Com o confronto muito disputado, a primeira "vítima" saiu aos 11 minutos. Kone sentiu o músculo posterior da coxa esquerda e deu lugar a Samaris no meio-campo grego. Na sequência, em dois cruzamentos rasteiros para a área, primeiro com Yaya Touré, depois com Maniatis, o placar quase foi aberto no duelo em Fortaleza.

A Costa do Marfim controlava as ações da partida e comandava o ritmo do jogo, com a Grécia recuando para tentar o contra-ataque. Em troca de passes na intermediária, os gregos deram o bote, em toque errado de Bamba, e ameaçaram a meta de Barry aos 15 minutos, com Salpingidis. O cruzamento saiu forte e a bola saiu pela linha de fundo.

Mas a Costa do Marfim respondeu. Aos 22 minutos, em jogada rápida pelo meio, Yaya Touré preferiu tocar para Drogba em vez de concluir para o gol. Mas o passe foi muito forte e o craque marfinense não conseguiu concluir para o gol grego.

O jogo ficava movimentado e, em jogada rápida de contra-ataque, a Grécia criou a oportunidade mais clara de gol até então. Cholevas levou a bola na intermediária, fez triangulação com Salpingidis e Samaras e recebeu na frente para chutar. O lateral grego chutou firme da entrada da área e a bola explodiu no travessão africano. Na sequência, Karagounis bateu forte uma falta para defesa segura de Barry. Em resposta à pressão dos gregos, aos 40, Kalou afundou na área pela esquerda, passou por Torosidis e deixou dois gregos caídos, mas, no cruzamento, a defesa grega afastou.

Só que a Grécia mostrou que estava viva ainda no Mundial. Em erro crasso na saída de bola dos africanos com Tiote, Samaras estava atento e encontrou Samaris livre pela entrada da área. O grego dominou e fuzilou na saída de Barry, deixando os europeus em vantagem no marcador e anotando o primeiro gol do time na Copa. A Costa do Marfim tentou reagir e empatar em seguida, em boa jogada de Yaya Touré, um pouco sumido no duelo. O jogador do Manchester City driblou três gregos em progressão, até entrar na área, mas acabou concluindo em cima de Samaris, o autor do gol, que ajudava a defesa a não levar gols.

Assim, a Grécia ia para os vestiários classificada pela primeira vez para as oitavas de final de uma Copa do Mundo, já que o Japão só empatava com a Colômbia no outro jogo pelo Grupo C.

Na etapa final, a equipe grega voltou com tudo e Christodoulopoulos quase marcou ao chutar firme para o gol de Barry. Bamba se atirou e desviou a bola para escanteio. Aos 3 minutos, a Costa do Marfim respondeu com Tiote, em bomba que foi bem defendida pelo goleiro Glykos, que substituiu Karnezis, machucado, ainda no primeiro tempo.

Em outra jogada perigosa, a Grécia voltava a assustar e quase ampliou com Christodoulopoulos, que driblou três jogadores africanos para chutar à direita do gol de Barry. Mas os africanos responderam com jogada rápida que quase deixou Kalou na cara do gol. Manolas tirou para escanteio com muita precisão. O jogo ganhava ares de drama, com as duas equipes procurando o gol. Aos 12 minutos, Salpingidis arriscou forte na direita da entrada da área e obrigou Barry a praticar importante defesa.

Em outro lance perigoso, Christodoulopoulos escapou da falta de Aurier e lançou Torosidis. O lateral grego preferiu cavar uma falta a chutar para o gol na entrada da área. Na cobrança, Karagounis carimbou a barreira. A Grécia não parava de pressionar e, aos 23, novamente Karagounis usou toda a sua experiência para chutar de longe e carimbar o travessão de Barry, assustando o time africano. Em outra descida perigosa grega, Serey fez falta e recebeu cartão amarelo. Na cobrança, Christodoulopoulos chutou rente ao travessão dos africanos, que sofriam imensa pressão no contra-ataque grego.

O time de Drogba não conseguia encaixar uma boa jogada para furar a compacta defesa europeia. Apenas as bolas aéreas e as faltas ocasionais eram a arma dos marfinenses. Mas, em uma jogada rápida, Kalou encontrou Gervinho livre na esquerda da área. O atacante da Roma avançou e passou para Bony, que completou com categoria no canto de Glykos.

O empate botou fogo no confronto, que ganhou um ritmo alucinante. OS gregos foram com tudo para frente, contrariando seu estilo, oferecendo, assim, o contra-ataque aos marfinenses. Aos 33, o técnico francês dos africanos, Lamouchi, tirava o astro Drogba de campo para apostar na retranca, colocando Diomandé.

A Grécia tentava com chutes de longa distância, principalmente com Christodoulopoulos, o melhor grego na partida. Num destes chutes, Barry viu a bola passar novamente raspando a trave. Em jogada de desespero, Salpingidis recebeu livre, cruzou forte e rasteiro para o meio da área. O lateral Aurier quase desviou para dentro do gol para entregar a vaga nas oitavas de final para a Grécia.

Mas os gregos não se entregaram e, nos acréscimos, Samaras sofreu falta de Sio na área. O árbitro equatoriano Carlos Vera marcou pênalti, convertido pelo próprio Samaras, na maior vitória grega na história da Copa do Mundo.

FICHA TÉCNICA:

GRÉCIA 2 x 1 COSTA DO MARFIM

GRÉCIA - Karnezis (Glykos); Torosidis, Sokratis, Manolas e Cholevas; Matianis, Kone (Samaris), Christodoulopoulos e Karagounis (Gekas); Samaras e Salpingidis. Técnico: Fernando Santos.

COSTA DO MARFIM - Barry; Aurier, Kolo Touré, Bamba e Boka; Tiote (Bony), Serey, Kalou e Yaya Touré; Gervinho (Sio) e Drogba (Diomandé). Técnico: Sabri Lamouchi.

GOLS - Samaris, aos 41 minutos do primeiro tempo; Bony, aos 28, e Samaras, aos 47 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - Drogba, Kalou e Serey (Costa do Marfim).

ÁRBITRO - Carlos Vera (Fifa/Equador).

RENDA E PÚBLICO - Não disponíveis.

LOCAL - Arena Castelão, em Fortaleza (CE).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.