Divulgação
Divulgação

Grêmio vai atrás de Luxemburgo e Dunga para substituir Caio Júnior

Diretor executivo do clube, Paulo Pelaipe, afirma que procura alguém com experiência e currículo vitorioso

Elder Ogliari , O Estado de S.Paulo

21 de fevereiro de 2012 | 03h04

PORTO ALEGRE - Caio Júnior durou apenas 48 dias e oito jogos no Grêmio. Ele teve a demissão confirmada ontem, mas o que agitou o Olímpico foi a notícia de que o clube já estaria acertado com Vanderlei Luxemburgo, divulgada pela imprensa gaúcha. O diretor executivo Paulo Pelaipe negou, embora admita que o ex-técnico do Flamengo é um bom nome.

"Vamos escolher um treinador que seja experiente e que tenha condições de fazer a equipe jogar aquilo que nós achamos que tem condições de jogar'', despistou, citando também experiência e currículo vitorioso como fatores decisivos para a contratação. Luxemburgo se enquadra no perfil. Mas Dunga também seria um nome bem aceito entre dirigentes gremistas.

"Não falamos com nenhum treinador, com nenhum representante'', insistiu Pelaipe, que admitiu ter "um nome na cabeça'', a ser analisado pelo presidente Paulo Odone e seus diretores mais próximos.

Luxemburgo passou o dia na região de Foz do Iguaçu e poderia definir a situação quando chegasse ao hotel, à noite. No fim da tarde, seu assessor, Luiz Lombardi, postou no Twitter. "É mentirosa a notícia de que Luxemburgo já está acertado com o Grêmio. Até o momento ele continua pescando, na Argentina.''

Caio Júnior venceu quatro jogos, perdeu três e empatou um no comando do Grêmio. No sábado, o time perdeu do São José por 2 a 1 e terminou a fase de classificação do primeiro turno do Campeonato Gaúcho apenas em quarto lugar no seu grupo.

Pelaipe evitou entrar em detalhes sobre a saída de Caio Júnior. "O Grêmio não estava produzindo'', esquivou-se. "Quando as coisas não dão certo, o clube não pode mudar todos os atletas''. O Grêmio terá de vencer o Inter amanhã, no Beira-Rio, para se classificar às semifinais.

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.