Grêmio vira e Tite está por um fio

Tricolor faz 2 a 1 no clássico dos 100 anos. Inter deve demitir técnico

Carlos Alberto Fruet, PORTO ALEGRE, O Estadao de S.Paulo

20 de julho de 2009 | 00h00

Falar de Gre-Nal é ter a certeza de um clássico cheio de emoção, rivalidade, gols e festa nas cores vermelha e azul. Ingredientes presenciados no 377º encontro das equipes ontem, no Estádio Olímpico, na comemoração dos 100 anos do confronto. Como naquele primeiro encontro, em 18 de julho de 1909, deu Tricolor. Não os mesmos 10 a 0 dá época. Mas uma bela virada, por 2 a 1, que deixou o técnico Tite à beira do desemprego. Deve se reunir com a diretoria após consecutivos tropeços.O primeiro triunfo gremista na temporada veio com gostinho de revanche. Há sete jogos não conseguia superar o Colorado e havia perdido três vezes no Estadual deste ano, todas pelo placar de ontem.Os gols dos donos da casa foram marcados por Souza (o de número 500 do time no clássico) e Máxi Lopez. Nilmar abriu o marcador para o Internacional após falha do próprio Souza."Tiramos um peso enorme das costas", comemorou o meia, que fez festa com os torcedores, assim como toda a equipe, ao apito final de Leonardo Gaciba. "Nossa equipe tinha sido melhor em outros clássicos e não tinha vencido. Agora ganhamos e isso é o mais importante."O jogo, disputado, cheio de lances de perigo de ambos os lados, foi limpo nas quatro linhas e em tom de provocação fora dela. "Agora não perderemos nunca mais no clássico", cutucou o argentino Lopez. "Perdemos na única jogada deles, as bolas paradas", retrucou Nilmar.De certa forma, o atacante colorado tem razão. Seu gol saiu após aproveitar erro de Souza - dividiram e o gremista preferiu pedir falta - e com chute por cima do goleiro Victor. Sem chance.Os gols dos rivais saíram após cobranças de faltas. Souza bateu direto, no canto direito alto e sem chances para Lauro. No segundo, já na fase final, cruzamento e bate rebate até Lopez, de cabeça, fazer o Olímpico explodir."A dor de perder é muito grande, mas agora tenho de matar no peito e seguir com o trabalho", disse o técnico Tite, sem saber se segue no clube até o duelo com o São Paulo, quarta-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.