Grigorian revela tática para derrotar Popó

O boxeador Artur Grigorian, do Usbequistão, adversário do brasileiro Acelino "Popó" Freitas, dia 3 de janeiro, em Massachusetts, nos Estados Unidos, tem uma motivação a mais, além de defender o título mundial dos pesos leves da Organização Mundial de Boxe (OMB). O lutador canhoto de 36 anos poderá colocar seu nome na história do pugilismo ao obter o maior reinado da categoria. Atualmente, Benny Leonard tem esta marca, ao ficar com o cinturão mundial por 7 anos e oito meses (1917 a 1924). "Se vencer Freitas, superarei este recorde e ficarei muito orgulhoso", afirmou o invicto "Rei Artur", que se tornou campeão em 13 de abril de 1996, ao bater Antonio Rivera. Ele já soma 36 vitórias, com 21 nocautes.Profissional desde abril de 1994, Grigorian volta a lutar nos Estados Unidos após 13 anos. Ele participou dos Goodwill Games, em 1990, em Seattle, e venceu Shane Mosley, atual campeão mundial dos médios-ligeiros e um dos principais nomes do boxe. Ele nunca lutou nos EUA como profissional. Seu cartel amador soma 384 lutas, com 361 vitórias e 23 derrotas. "Estou muito motivado por lutar no principal centro do pugilismo. Desembarco em Massachusetts dia 27 (mesmo dia de Popó)", contou.O rígido inverno norte-americano não assusta Grigorian, que mora em Hamburgo, na Alemanha. "Lá não deve ser mais frio do que aqui", afirmou.Grigorian, que mede 1,70 metro (dois centímetros a mais que Popó), disse que já assistiu a muitos vídeos com lutas do brasileiro e elogiou o poder ofensivo do campeão dos superpenas pela OMB e Associação Mundial de Boxe (AMB). "Todos os seus golpes são muito fortes. Ele procura o nocaute desde o início e é muito rápido", elogiou. Apesar dos elogios, o lutador usbeco aponta algumas falhas do adversário brasileiro. "Mas não acredito que ele tenha preparo para aguentar 12 roundes. Acho que ele não está em condições de vencer entre os leves", apostou. E aproveita para mostrar como pretende derrotar Popó. "Vou resistir ao seu assédio nos primeiros assaltos e dominar o combate no final."Grigorian, que é casado e pai de três meninas, não aceita falar em derrota. "Se eu perder, terei que me aposentar. Mas acho que ainda tenho condições para lutar mais três anos."Em seu currículo, Grigorian possui a medalha de ouro no Goodwill Games (1990), a de prata no Campeonato Mundial (1991), além do título alemão (1994) e Intercontinental pela OMB (1995).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.