Grohe esquece mau momento do Grêmio e dá receita para time brigar pelo Brasileiro

O Grêmio viveu um início de temporada para esquecer em 2016. Eliminado nas semifinais do Campeonato Gaúcho e nas oitavas da Libertadores, viu a pressão da torcida crescer. Mas para o goleiro Marcelo Grohe, a equipe pode brigar pelo título do Campeonato Brasileiro, que começa neste fim de semana, se corrigir alguns erros que cometeu nas últimas participações na competição.

Agência Estado, Estadão Conteúdo

11 de maio de 2016 | 14h33

"Nos últimos anos, fizemos campanhas de Libertadores, ficamos em terceiro, segundo, e sabemos que foram alguns detalhes que nos tiraram a possibilidade de brigar pelo título até o fim. Perdemos alguns jogos diante de adversários em que teoricamente não poderíamos perder pontos. Infelizmente, deixamos escapar pontos preciosos. É uma das situações que precisamos corrigir para este ano", comentou nesta quarta-feira.

No domingo, o Grêmio abrirá sua campanha no Brasileirão diante do Corinthians, no Itaquerão. O adversário paulista vive situação bastante semelhante à dos gaúchos e também está pressionado após eliminações nas semifinais do Estadual e nas oitavas da Libertadores. Mas Grohe pediu a seus companheiros que foquem somente no próprio momento.

"As duas equipes vêm praticamente com o mesmo histórico recente, pressionadas, mas temos que pensar no nosso trabalho aqui, no que podemos fazer, no que temos como qualidade. Sabemos que temos muitas qualidades, mas precisamos melhorar. Como eu disse, o que não foi legal nas últimas partidas, precisamos corrigir. Só assim vamos nos fortalecer para fazer um grande Brasileiro", disse.

Grohe ainda garantiu que as eliminações recentes podem trazer lições para o Grêmio no Brasileirão. "A gente tem conversado bastante, estamos muito focados nessa competição. A gente vem de uma eliminação dolorida, mas temos que tirar lições e pensar somente no Campeonato Brasileiro para que a gente possa buscar nosso objetivo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.