AFP
AFP

Grupo de atletas diz não confiar na IAAF após escândalo de doping

Lançador de disco Robert Harting lidera protesto por meio de vídeo

Estadão Conteúdo

10 de agosto de 2015 | 10h56

Um grupo de atletas, liderado pelo campeão olímpico do lançamento de disco Robin Harting, publicou vídeo nesta segunda-feira em que eles fazem duas críticas à Federação das Associações Internacionais de Atletismo (IAAF). A entidade é acusada de encobrir possíveis casos de doping de mais de uma centena de medalhistas olímpicos e mundiais entre 2001 e 2012.

"Cara IAAF, nós não podemos confiar mais em você. Nós temos que agir agora", diz o alemão Harting, em inglês, em um vídeo postado no Youtube. O alemão, três vezes campeão mundial, tem uma postura crítica com relação à IAAF. No primeiro semestre, recusou a indicação ao prêmio de "Atleta do Ano" porque não queria aparecer ao lado de atletas que já foram punidos por doping, especialmente o velocista norte-americano Justin Gatlin.

Harting é o mais expressivo dos atletas que aparece no vídeo. Eric Werskey, norte-americano do arremesso de peso, diz que a IAAF "estragou o nosso esporte". Julia Fischer, também lançadora de disco e namorada do alemão, reclama que a entidade "quebrou meus sonhos de infância". "Eu quero correr contra atletas limpos, não monstros", completa Robin Schembera, alemão dos 800 metros.

Os atletas encerram o vídeo cobrando "honestidade, integridade e transparência" da entidade, que vem sendo alvo de reportagens do jornal britânico The Sunday Times e de um documentário do canal de TV alemão ARD.

Ambos os veículos tiveram acesso aos resultados de 12 mil exames de sangue envolvendo 5 mil atletas entre 2001 e 2012. Dois especialistas analisaram o material e apontaram que 800 deles são suspeitos. Esses atletas ganharam 146 medalhas em provas de fundo (800m a maratona) em Mundiais e Jogos Olímpico, entre elas 55 de ouro.

No domingo passado, o The Sunday Times relatou que entre esse 800 casos suspeitos estão 34 atletas que, no mesmo período, venceram provas das grandes maratonas (Nova York, Chicago, Boston, Londres, Berlim e Tóquio). Os organizadores da Maratona de Londres divulgaram nota cobrando a IAAF, uma vez que é a entidade internacional que tem acesso aos resultados detalhados dos exames, não os organizadores.

A expectativa é que o caso ainda tenha novas repercussões nas próximas duas semanas, uma vez que em 22 de agosto começa, em Pequim (China) o Mundial de Atletismo. Lá também será realizada a eleição para a presidência da IAAF, da qual participam os ex-atletas Sebastian Coe (britânico) e Serguei Bubka (ucraniano).

Até agora, as reportagens do The Sunday Times não citaram nomes de atletas, apenas o volume de conquistas deles. A IAAF nega todas as acusações.

Tudo o que sabemos sobre:
atletismodopingIAAF

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.