Lisi Niesner/Reuters
Lisi Niesner/Reuters

Grupo de ginastas canadenses pede por investigação sobre práticas abusivas dentro do esporte

Membros afirmaram, em carta enviada à diretoria geral de ginástica do país, que o 'medo de represálias os impediu de se manifestarem antes'

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de março de 2022 | 09h05

Um grupo com mais de 70 ginastas canadenses, tanto em atividade quanto aposentados, pediu que uma investigação, a respeito de "práticas abusivas" dentro do ginástica no país, fosse realizada.

Atletas que são ou foram membros das equipes olímpicas do Canadá afirmaram em carta enviada nesta segunda-feira, 28, à diretora-geral, Vicki Walker, que por quase uma década o medo de represálias as impediu de se manifestar.

"Não podemos mais ficar em silêncio. Estamos apresentando nossas experiências de abuso, negligência e discriminação na esperança de forçar a mudança", dizia a carta. "Pedimos que tomem medidas para garantir que a próxima geração de ginastas canadenses não esteja sujeita ao trauma físico e psicológico que tivemos que suportar”.

Segundo as atletas, várias queixas sobre abuso emocional, físico e sexual foram relatadas ao longo dos anos. Boa parte destas envolveu treinadores canadenses, que praticaram os atos ainda quando as atletas eram menores de idade.

As ginastas também pediram que os resultados das investigações, caso venham a ocorrer, sejam revelados ao público e que a identidade e anonimato dos atletas sejam resguardados.

"Sabemos que há muitos outros exemplos de danos que ainda não vieram à tona e sabemos que os comportamentos abusivos continuam nas academias de todo o país hoje. A atual diretoria falhou em resolver esses problemas e não conseguiram ganhar a confiança dos atletas", afirmaram na carta. 

Em março do ano passado, o ex-treinador de ginástica feminina canadense Dave Brubaker foi banido do esporte após investigações. Apesar de inocentado em 2019, após denúncias sobre agressão e exploração sexual, o comitê de ginástica afirmou que Brubaker violou o código de ética do esporte canadense e puniu o treinador. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.