Grupo faz protesto contra obras do Pan na Marina da Glória

Um ato de repúdio às obras na Marina da Glória foi realizado neste domingo, no Aterro do Flamengo, no Rio. O local está sendo preparado para a disputa das competições de vela dos Jogos Pan-Americanos de 2007, na cidade carioca.Os organizadores do protesto recolheram assinaturas contrárias às obras na Marina de Glória, que já foram embargadas pela Justiça, diante da ação do Ministério Público e do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) - a alegação é de que avançam sobre uma área tombada. Na área, estão previstas a construção de um shopping, um restaurante e um centro de convenções, além da ampliação do estacionamento da marina e da construção de uma garagem para barcos - que teria 17 metros de altura e atrapalharia a visão do Pão-de-Açúcar, segundo o MP. Integrante do Conselho Social do Pan, grupo que acompanha as medidas tomadas pelo Estado e pela Prefeitura para a realização dos Jogos de 2007, o economista Luiz Mário Behnke, um dos líderes do protesto deste domingo, disse que 500 pessoas já endossaram o abaixo-assinado. ?A lei está do nosso lado. É um absurdo fazer isso num lugar tombado, com a desculpa esfarrapada de que é para o Pan. Está claro que há interesses comerciais em jogo?, afirmou Behnke. ?É um atentado ao aterro e à cidadania.?Os manifestantes se reuniram junto ao muro que foi erguido para separar o terreno que receberia as edificações. Preocupado com a realização das provas de vela do Pan, o Comitê Organizador dos jogos (CO-RIO) vem fazendo pressão por uma solução do imbróglio judicial e também pela continuação das obras. O Iphan recorreu à Justiça para barrá-las alegando que o Aterro do Flamengo, tombado desde 1965, teria seu projeto original alterado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.