Oli Scarff/ AFP
Oli Scarff/ AFP

Guardiola evita confirmar volta de Gabriel Jesus ao City contra o Arsenal

Técnico mantém cautela e não garante o brasileiro na lista dos relacionados para a final da Copa da Liga Inglesa contra o Arsenal

Estadão Conteúdo

23 de fevereiro de 2018 | 15h38

Após voltar aos treinos no Manchester City, Gabriel Jesus ficou mais perto de retornar aos gramados após quase dois meses sem jogar. O técnico Pep Guardiola, no entanto, manteve cautela e não garantiu o brasileiro na lista dos relacionados do City para a final da Copa da Liga Inglesa contra o Arsenal, no próximo domingo, no estádio de Wembley, em Londres.

Conmebol confirma Libertadores com final única e maior premiação em 2019

"Vamos ver amanhã (sábado)", disse Guardiola em entrevista coletiva nesta sexta-feira. "Ele (Gabriel Jesus) fez o terceiro treino com o time e está melhor a cada dia. O seu retorno é muito importante", acrescentou o treinador, lamentando os desfalques da equipe.

"Quando as pessoas perguntam se podemos conseguir os quatro títulos, você precisa ter tudo a seu favor. Quando você não tem os seus laterais disponíveis, é mais difícil. Quando você joga a cada três dias, também. Kompany perdeu muitos jogos por lesão, Delph estava machucado. Quando você joga uma vez por semana, você consegue lidar com essas situações sem problema", completou o treinador.

O atacante brasileiro lesionou o ligamento colateral medial do joelho esquerdo no primeiro tempo do empate sem gols com o Crystal Palace, no dia 31 de dezembro do ano passado e precisou ser substituído aos 21 minutos de jogo. O brasileiro voltou aos treinos na sexta-feira da semana passada e teve sua ausência menos sentida em razão das boas atuações de Agüero. O argentino, maior artilheiro da história do Manchester City, foi elogiado por Guardiola, que voltou a ressaltar a necessidade de ganhar títulos para valorizar o bom futebol jogado.

"Agüero nos ajudou incrivelmente no período que Gabriel esteve fora, mas ele precisa estar renovado e por isso que é tão importante que Gabriel esteja de volta. É muito importante", disse. "Nós temos que ganhar títulos para dar mais valor ao que fizemos. No início de agosto eu disse que seremos julgados pela quantidade das coisas que ganharemos. Vale o mesmo para os outros cinco concorrentes".

Líder com folga do Campeonato Inglês, a equipe de Guardiola sofreu um revés importante na última segunda-feira, ao ser eliminado nas oitavas de final da Copa da Inglaterra pelo modesto Wigan, da terceira divisão. O treinador vê a eliminação como uma lição ao seus comandados.

"Eu não gosto de perder. O que aconteceu contra o Wigan, talvez eu preferisse que tivesse acontecido no Campeonato Inglês, pois agora nós deixamos uma competição. Mas isso é o futebol, aconteceu e agora podemos focar no que vem pela frente e tentar fazer melhor. Tudo o que podemos fazer é aprender com o Wigan", concluiu.

GUARDIOLA ACUSADO - A Associação de Futebol da Inglaterra (FA, na sigla em inglês) acusou Guardiola de difundir mensagens de cunho político ao vestir uma fita amarela em apoio à independência da Catalunha. A entidade considera que o ato do treinador viola as regras do futebol inglês.

Guardiola nasceu na Catalunha e é ídolo na região pelas passagens vitoriosas como jogador e, depois, como treinador. Ele ficou quatro anos no comando do Barcelona, pelo qual venceu 13 títulos entre 2008 e 2012.

Ele utiliza a fita amarela em partidas e também em entrevistas coletivas desde a tentativa fracassada de independência da Catalunha em outubro, quando um referendo foi realizado com mais de 90% de votos a favor da separação, mas sem a anuência do governo espanhol, que disse considerar a votação ilegal. O treinador tem até 5 de março para responder à acusação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.