Juanjo Martín / EFE
Juanjo Martín / EFE

Guardiola retribui gentileza de Zidane e exalta grandeza do Real Madrid

Técnico do Manchester City afirma que não pretende utilizar punição ao clube como motivação para buscar título da Liga dos Campeões

Redação, Estadão Conteúdo

25 de fevereiro de 2020 | 18h29

Horas depois de ser apontado por Zinedine Zidane como o melhor treinador do mundo, Pep Guardiola manteve o clima de cordialidade entre as duas grandes estrelas do confronto entre Real Madrid e Manchester City, pelas oitavas de final da Liga dos Campeões da Europa. O primeiro encontro entre as equipes está marcado para esta quarta-feira, na capital espanhola.

O espanhol, comandante do City, exaltou o fato de Zidane ter vencido a Liga dos Campeões em três temporadas consecutivas pelo Real (2015/2016, 2016/2017 e 2017/2018), algo que, para ele, é uma prova da grandeza do clube merengue e da capacidade do francês.

"O que o Zidane fez na Europa eu acho que não vai voltar a acontecer e demonstra a magnitude deste clube", disse Guardiola nesta terça. "Os três títulos seguidos demonstram que nesta competição não há ninguém melhor do que eles. Podemos competir com o Real dentro de campo, é possível, mas fora é impossível."

O treinador voltará nesta quarta ao Santiago Bernabéu, estádio em que esteve muitas vezes como jogador e técnico do Barcelona. E onde foi derrotado pelo Real por 1 a 0 em 2014, no comando do Bayern de Munique, pelas semifinais da Liga dos Campeões. Segundo Guardiola, o time espanhol é, em alguns aspectos, melhor agora do que naquela temporada, em que foi campeão.

"Eu me lembro do 4 a 0 de Munique (a favor do Real, no jogo de volta) e que aqui no Bernabéu fizemos um bom jogo, equilibrado, mas eles chegaram uma vez e marcaram. Agora o Real Madrid é diferente daquele que eu conheci, muitíssimo mais agressivo, pressiona lá na frente."

Embora tenha ficado feliz com o elogio de Zidane, Guardiola disse que não se considera o melhor treinador do mundo. E ele não pretende usar a recente punição sofrida pelo City - duas temporadas fora das competições europeias - como motivação para buscar o título da Liga dos Campeões. O espanhol, aliás, continua acreditando que seu clube vai conseguir anular a condenação.

"Temos o direito de recorrer e eu confio nas pessoas do meu clube, que me deram as explicações e me mostraram as provas. Somos otimistas. Vamos ver o que acontece."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.