Guerra no Golfo afeta o esporte

O espanhol Juan Antonio Samaranch, ex-presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), acha que uma demora no fim da guerra no Iraque, que já provocou a suspensão de diversos eventos esportivos, "poderá influir na escolha da sede dos Jogos de 2012". O dirigente observou que, "com toda a confusão, não se sabe de verdade quantas cidades manteriam as candidaturas".Londres e Nova York, por exemplo, em dois dos países envolvidos no conflito (Inglaterra e Estados Unidos), manterão as candidaturas? Mas a guerra no Iraque, além de já ter provocado alterações em eventos esportivos, causou aumento da preocupação com segurança nas atividades que concentram grande número de pessoas.A tensão provocou o adiantamento da segunda prova de natação da Copa do Mundo em mar aberto, nos Emirados Árabes, no dia em começou a ofensiva da coalizão, apesar das reclamações dos nadadores que acharam que a Fina, a federação do esporte, não estava consciente dos perigos existentes.No motociclismo, equipes e pilotos optaram pela suspensão da segunda prova do Mundial de Enduro, que seria no Marrocos no fim de semana.Outros eventos podem ser transferidos para longe da zona do conflito. A Federação de Críquete do Sri Lanka se ofereceu para receber o Torneio Três Nações, que seria nos Emirados Árabes, de 1 a 10. Da mesma forma, a fase final da Liga Adriática de Basquete, que seria em Tel-Aviv, de 3 a 5 de abril, mudou para Liubliana, capital da Eslovênia.Alguns esportistas norte-americanos demonstraram preocupação com os episódios da guerra e a intenção de ficar fora de disputas que oferecerem riscos. O golfista Tiger Woods desistiu de ir ao Masters do Catar, há duas semanas, diante do iminente início do conflito. O quatro vezes campeão da Volta da França, o ciclista norte-americano Lance Armstrong, não escondeu seu "temor e preocupação", apesar de dizer que é seu "dever" estar ao lado do presidente de seu país.O começo da guerra provocou alterações na rotina de eventos esportivos nos Estados Unidos - no beisebol e basquete houve notável aumento nas medidas de segurança nos locais de disputa.O futebol tenta ficar alheio à guerra, mas já enfrenta conseqüências. O jogo entre as Ilhas Maurício e o Egito, pelas eliminatórias da Copa de África de 2004, terá apenas 800 espectadores convidados, por causa do temor da polícia.Também no futebol, e por motivo de segurança não relacionado diretamente à guerra no Iraque, a Uefa anunciou o adiamento do jogo de classificação para a Eurocopa de Portugal, em 2004, entre Sérvia e Montenegro x Gales. Nesse caso, a transferência ocorreu por causa do assassinato de Zoran Djindjic, primeiro-ministro sérvio.Mais surpresa causou o cancelamento do amistoso entre as seleções de Portugal e Macedônia, que seria em Genebra, na Suíça. O prefeito da cidade disse só garantiria "em 80% a segurança da partida".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.