Guga diz que só Deus sabe onde ele pode chegar no tênis

Com esperanças renovadas, Gustavo Kuerten parte para mais um desafio, talvez o maior de sua carreira. Na próxima semana retorna ao circuito profissional, jogando a Copa Petrobras, em Assunção, no Paraguai.Seu adversário de estréia será o austríaco Reiner Eitznger, apenas o número 236 da ATP, mas na atual condição se confere como um difícil teste para o ex-tricampeão de Roland Garros. ?Será uma prova real?, disse Guga neste sábado à noite, em uma entrevista coletiva num hotel próximo ao aeroporto de Cumbica, antes de embarcar para o Paraguai. ?Mas é uma felicidade muito grande sentir que posso estar de volta a uma competição. Quero voltar a jogar com alegria e uma boa seqüência de jogos seria fundamental.? A atual expectativa de Guga é testar suas condições, ver até onde pode chegar e seu principal objetivo é realizar o maior número de partidas possíveis, para retomar ritmo e avaliar seu atual estágio. Por ora, não pensa em título, mas também não quer afastar a possibilidade de uma bela surpresa.?Só Deus sabe onde posso chegar?, afirmou. ?A princípio meu objetivo seria o de colocar-me entre os cem primeiros do ranking, mas como disse, só Deus pode responder a essa pergunta.?Esse clima de ansiedade faz agora parte da vida de Guga. Na última semana, nos treinamentos, sentiu estar recuperado. Deixou a quadra cansado, praticamente exausto, mas com a gostosa sensação de que seu corpo correspondeu aos exercícios. Por isso, a decisão de retornar ao circuito surgiu meio de surpresa.?Não vejo a hora de entrar em quadra. Sei que vai ser diferente encarar novamente uma competição, mas na minha carreira, já passei por todos esses estágios.? Como uma Águia - Emocionado com este retorno às quadras, Larri Passos teve uma importância fundamental na decisão de Guga jogar um torneio profissional ainda este ano.Afinal, o tenista já havia manifestado a idéia de só jogar na próxima temporada. Com sua habitual determinação, Passos lembrou os sacrifícios de Kuerten nestas últimas semanas e fez uma comparação.?Vejo o atual momento como a vida de uma águia, que até os 30 anos enfrenta tempestades sem medo. Depois busca uma montanha e, numa espécie de auto flagelo, destrói suas garras, afina o bico e arranca suas penas. Aos poucos, suas garras reaparecem, o bico retoma a boa forma e as penas estão prontas para um novo mergulho de cima da montanha. É assim que Guga vai novamente para seu vôo e, espero que como a águia, possa viver muito mais anos.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.