Guga, machucado, quer se preparar para o Aberto do Brasil

Pela segunda vez nas últimas semanas, Gustavo Kuerten adia sua volta ao circuito profissional. Agora, em Buenos Aires, desistiu do torneio argentino quando já estava programado para enfrentar Flávio Saretta, alegando, novamente, uma lesão no tornozelo direito, como já havia acontecido em Viña Del Mar. É estranho o fato de, um dia antes, Guga ter falado com otimismo de sua volta às quadras, depois de um longo período fora das competições válidas pelo ranking (seu útlimo torneio foi no US Open, em setembro do ano passado). Seu técnico, Hernan Gumy, também revelou confiança ao afirmar que tinha chegado a hora de o pupilo jogar. Mas, de repente, Kuerten apresentou-se ao Buenos Aires Lawn Tennis apenas para passar pelos exames médicos, uma exigência para jogadores que já estejam na chave e decidam não disputar a competição. Todo esse clima deixa uma suspeita no ar de que algo de mais grave esteja acontecendo. O tenista, porém, tenta contemporizar e fala na sua esperança de voltar a jogar no melhor nível e se define como um otimista. Na mesma entrevista coletiva, na sala de imprensa do torneio, Guga afastou a possibilidade de se aposentar por ora e revelou um dos motivos."O meu receio é que se me aposento, o tênis no Brasil possa morrer", falou em espanhol. "É importante existir um líder, alguém que esteja por cima."Esta semana, Guga deve permanecer por mais alguns dias em Buenos Aires para tratamento e exames. Durante a Copa Davis, o tenista jogou por 4h11 na partida de duplas diante do Peru e deixou a quadra entusiasmado, candidatando-se inclusive a jogar uma das partidas de simples de domingo. "Estava mesmo querendo jogar, mas o tempo em que fiquei na quadra durante as duplas, num piso ruim, pesado, acabaram aumentando o problema da lesão."A idéia de Guga é estar em condições de disputar o Aberto do Brasil, na próxima semana na Costa do Sauípe. "É o único ATP que temos no Brasil. É uma competição importante, mas não posso acelerar a minha recuperação."Apesar destes adiamentos e das lesões, Gustavo Kuerten não admite a aposentadoria. "Estou convencido de que ainda posso voltar a jogar num bom nível. Sou otimista. Na minha cabeça não passa a possibilidade de parar de competir."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.