Guga sai de férias e vira mochileiro

Aposentado, tenista planeja viajar pela Europa nos próximos 2 meses

Chiquinho Leite Moreira, O Estadao de S.Paulo

27 de maio de 2008 | 00h00

Sem mais a necessidade de pegar a raquete, enfrentar a dura rotina de treinamentos, Gustavo Kuerten já no primeiro dia como aposentado demonstrava estar entediado. Está sem destino, sem saber o que fazer e confessou que sua vontade é a de viajar uns dois meses pela Europa como um mochileiro cinco estrelas. Parar no lugar que quiser, sair na hora que tiver vontade e nada de compromissos. "Passei muito tempo 100% comprometido com meu dia-a-dia. Nas últimas semanas treinei por mais de seis horas diárias para conseguir jogar no nível em que estive diante do Mathieu (Guga perdeu para Paul- Henri Mathieu por 6/3, 6/4 e 6/2, mas com boa atuação) e agora ainda não sei o que buscar", declarou Guga, em seu único compromisso de ontem, a entrevista dada aos jornalistas num restaurante exclusivo para jogadores em Roland Garros.Sua única certeza é de que vai ficar mais alguns dias em Paris, pois ainda disputa a chave de duplas. Ao lado de Sebastien Grosjean, enfrenta os franceses Nicolas Mahut e Julien Benneteau em data ainda não anunciada. Depois sai sem destino pela Europa. "Vou viajar um pouco, como se fosse um mochileiro, sem planejar muito", comentou. Tenho de voltar a Paris no domingo da final (dia 8), pois vou participar de uma cerimônia dos 80 anos do estádio de Roland Garros." Por ora, Guga aproveita para descansar. Contou que dormiu 12 horas seguidas depois do jogo, no Vila Escudier - um hotel pequeno de Paris, sem grande luxo, mas charmoso, com atendimento exclusivo, em que se pode escolher, por exemplo, o cardápio do café da manhã, sempre servido no quarto. E, embora não tenha programado nenhuma comemoração, vai curtir Paris com alguns amigos. "Tem uma turma do pagode, que está por aí, e eles já até ganharam uns quatro euros tocando lá em Montmartre", brincou Guga, referindo-se ao fato de que muitos artistas na cidade ganham a vida passando chapéu depois de apresentações nas ruas, especialmente em Montmartre, onde está a igreja de Sacré-Couer.No momento, nada de planos ousados. Certa vez revelou que gostaria de estudar matemática. Ontem, durante a descontraída entrevista, admitiu que pensa em fazer uma faculdade, mas ainda não tomou nenhuma decisão. Falou até de seu namoro com Carolina, jogadora de vôlei de praia e filha da estrela do vôlei Isabel, que está casada com o ex-tenista Thomaz Koch. "Posso ajudar a Carolina, porque tenho a experiência do circuito", afirmou o catarinense, que planeja, num futuro não tão distante, casar-se. "Não vou morrer tiozão, né? Claro que penso em casamento."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.