Reuters
NFL Reuters

NFL Reuters

GUIA DA NFL: Liga de futebol americano dá início à 100ª temporada

Torneio começa com jogo entre Green Bay Packers e Chicago Bears; Cairo Santos é o único brasileiro da edição

Felipe Laurence , especial para o Estado

Atualizado

NFL Reuters

A NFL, principal liga de futebol americano no planeta, começa sua temporada nesta quinta-feira, com o jogo entre Green Bay Packers e Chicago Bears (com transmissão às 21h20, na ESPN), uma das maiores rivalidades do torneio. A NFL completa em 2019 cem temporadas de disputa. Cada vez mais popular no Brasil, com audiência batendo recordes na televisão, o futebol americano caiu no gosto do torcedor no País.

A NFL acredita que 45% de sua audiência global seja de mulheres. No Brasil, a ESPN já registrou 1 milhão de torcedoras que acompanham a modalidade. Neste ano, os principais candidatos ao título são New England Patriots, Kansas City Chiefs, Philadelphia Eagles, Green Bay Packers e Los Angeles Rams. Dono de seis conquistas, o Patriots é o atual campeão e tem como principal estrela Tom Brady, marido da modelo brasileira Gisele Bündchen.

O Brasil terá um único jogador nesta edição da NFL. O kicker Cairo Santos acertou ontem com o Tennessee Titans após ter sido dispensado pelo Tampa Bay Buccaneers no sábado. Cairo chega aos Titans para suprir a ausência do titular da posição, Ryan Succop, que sofreu uma lesão séria e foi colocado na "Injured Reserve", lista de machucados do time. Succop ficará afastado, ao menos, até o oitavo jogo da equipe na temporada.

No Brasil, a NFL tem transmissão pelo canal pago ESPN, que passa entre três a sete jogos por rodada na temporada regular, além de todas as partidas dos playoffs e o Super Bowl. A NFL oferece ao torcedor brasileiro uma assinatura para o serviço de streaming online da liga, o Game Pass. São três pacotes: um grátis que dá acesso à transmissão do canal oficial da liga, a NFL Network, além de melhores momentos dos jogos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Futebol americano é o esporte com mais popularidade e receita nos EUA

Primeiro jogo da história foi disputado no dia 6 de novembro de 1869, no estado de Nova Jersey

Felipe Laurence, especial parta o Estado

05 de setembro de 2019 | 04h30

O futebol americano tem data de nascimento e completa 150 anos agora em 2019. Primo do nosso futebol e do rúgbi, o esporte nasceu nas universidades norte-americanas por causa de professores que migraram da Inglaterra para dar aulas e trouxeram com eles os esportes com bola que estavam se desenvolvendo na Europa. Historiadores concordam que o primeiro jogo parecido com o futebol americano foi disputado no dia 6 de novembro de 1869, no estado de Nova Jersey, entre as universidades de Rutgers e Princeton.

No decorrer das décadas o esporte foi se modificando e evoluindo e o grande próximo passo em sua história foi em 1906, quando os passes para frente foram liberados e efetivamente criaram o futebol americano nos moldes que conhecemos hoje. Uma modalidade essencialmente universitária, algumas ligas amadoras e regionais começaram a se formar pelos Estados Unidos nas primeiras décadas do século 20, mas sem muito sucesso.

Em setembro de 1920, empresários e entusiastas do esporte se juntaram em uma loja de carros na cidade de Canton, em Ohio, para formar o que viria se chamar a National Football League, a NFL. A motivação foi criar uma entidade independente que chancelasse os jogos entre os vários times profissionais que estavam nascendo no país.

Durante as primeiras décadas da sua existência, a NFL (que veio a ter esse nome de fato só em 1922) foi uma liga marginal que não conseguiu deslanchar em popularidade nos Estados Unidos e quase morreu durante o período da Segunda Guerra Mundial quando a maioria dos seus jogadores foram convocados para lutar. Foi só com o advento da televisão, no fim da década de 1950, que o esporte começou a chamar a atenção do público.

Com um esporte bastante pausado e com várias possibilidades de inserções comerciais, as primeiras emissoras viram no futebol americano uma possibilidade de gerar receita e começaram a investir na NFL e em uma liga rival que surgiu em 1960, a AFL. A “guerra” entre as duas ligas as fez explodirem de sucesso, disputando jogadores e torcedores, e acabou com um acordo de fusão em 1966 que criou o Super Bowl, um jogo entre os campeões das duas ligas para definir quem era o melhor time.

Desde então o futebol americano, a NFL e o Super Bowl não pararam de crescer. Hoje é o esporte com maior popularidade e receita nos Estados Unidos e agora a liga está olhando para fora da país como forma de continuar a crescer, realizando jogos na Inglaterra e no México, além de expandir sua presença em países com bom mercado consumidor como o Brasil e a Alemanha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Clubes da NFL são os mais caros do mundo; Dallas Cowboys vale R$ 20 bi

Times estão divididos em duas conferências: Americana e Nacional, cada uma com 16 franquias.

Felipe Laurence, especial para o Estado

05 de setembro de 2019 | 04h30

Desde 2002, a NFL tem 32 times divididos em duas conferências: Americana e Nacional, cada uma com 16 franquias. As conferências, por sua vez, são subdividida em quatro divisões com quatro equipes cada.  As franquias da NFL figuram entre os times mais caros do mundo em qualquer modalidade. Lista da revista Forbes apontou o Dallas Cowboys, do Texas, na primeira posição do ranking pela quarta vez,  avaliado em US$ 5 bilhões (mais de R$ 20,4 bilhões).

A temporada da NFL tem início no mês de setembro e duração de 17 semanas, com cada time fazendo 16 jogos e uma semana de folga.  Ao final da temporada regular, os seis melhores times de cada conferência - quatro campeões de divisão e os dois melhores na sequência - se classificam para os playoffs, que culminam com o Super Bowl, a grande final da NFL que está em sua 54ª edição em 2019.

Conheça um pouco mais sobre cada time da NFL abaixo.

Buffalo Bills

Localização: Orchard Park, Nova York.

Estádio: New Era Field.

Ano de Fundação: 1960.

Títulos na NFL: 0. 

Desempenho em 2018: 6 vitórias e 10 derrotas.

Técnico: Sean McDermott

Principal Jogador: QB Josh Allen.

Miami Dolphins

Localização: Miami Gardens, Flórida.

Estádio: Hard Rock Stadium,

Ano de Fundação: 1966.

Títulos na NFL: 2 (1972 e 1973).

Desempenho em 2018: 7 vitórias e 9 derrotas.

Técnico: Brian Flores

Principal Jogador: CB Xavien Howard. 

New England Patriots

Localização: Foxborough, Massachusetts.

Estádio: Gillette Stadium.

Ano de Fundação: 1960.

Títulos na NFL: 6 (2001, 2003, 2004, 2014, 2016 e 2018). 

Desempenho em 2018: 11 vitórias e 5 derrotas (Campeão da NFL no Super Bowl LIII).

Técnico: Bill Belichick.

Principal Jogador: QB Tom Brady.

New York Jets

Localização: East Rutherford, Nova Jersey.

Estádio: MetLife Stadium.

Ano de Fundação: 1960.

Títulos na NFL: 1 (1968).

Desempenho em 2018: 4 vitórias e 12 derrotas.

Técnico: Adam Gase.

Principal Jogador: QB Sam Darnold. 

Baltimore Ravens

Localização: Baltimore, Maryland.

Estádio: M&T Bank Stadium.

Ano de Fundação: 1996.

Títulos na NFL: 2 (2000 e 2012). 

Desempenho em 2018: 10 vitórias e 6 derrotas (Eliminado nos Playoffs).

Técnico: John Harbaugh.

Principal Jogador: K Justin Tucker. 

Cincinnati Bengals

Localização: Cincinnati, Ohio.

Estádio: Paul Brown Stadium.

Ano de Fundação: 1968.

Títulos na NFL: 0.

Desempenho em 2018: 6 vitórias e 10 derrotas.

Técnico: Zac Taylor.

Principal Jogador: DT Geno Atkins. 

Cleveland Browns

Localização: Cleveland, Ohio.

Estádio: FirstEnergy Stadium.

Ano de Fundação: 1946.

Títulos na NFL: 4 (1950, 1954, 1955 e 1964).

Desempenho em 2018: 7 vitórias, 8 derrotas e 1 empate.

Técnico: Freddie Kitchens.

Principal Jogador: WR Odell Beckham Jr. 

Pittsburgh Steelers

Localização: Pittsburgh, Pensilvânia.

Estádio: Heinz Field.

Ano de Fundação: 1933.

Títulos na NFL: 6 (1974, 1975, 1978, 1979, 2005 e 2008). 

Desempenho em 2018: 9 vitórias, 6 derrotas e 1 empate. 

Técnico: Mike Tomlin.

Principal Jogador: QB Ben Roethlisberger. 

Houston Texans

Localização: Houston, Texas.

Estádio: NRG Stadium.

Ano de Fundação: 2002.

Títulos na NFL: 0. 

Desempenho em 2018: 11 vitórias e 5 derrotas (Eliminado nos Playoffs). 

Técnico: Bill O'Brien.

Principal Jogador: DE J.J. Watt. 

Indianapolis Colts

Localização: Indianápolis, Indiana. 

Estádio: Lucas Oil Stadium.

Ano de Fundação: 1953.

Títulos na NFL: 4 (1958, 1959, 1970 e 2006).

Desempenho em 2018: 10 vitórias e 6 derrotas (Eliminado nos Playoffs). 

Técnico: Frank Reich. 

Principal Jogador: LB Darius Leonard. 

Jacksonville Jaguars

Localização: Jacksonville, Flórida.

Estádio: TIAA Bank Field.

Ano de Fundação: 1995.

Títulos na NFL: 0. 

Desempenho em 2018: 5 vitórias e 11 derrotas. 

Técnico: Doug Marrone. 

Principal Jogador: QB Nick Foles. 

Tennessee Titans

Localização: Nashville, Tennessee.

Estádio: Nissan Stadium.

Ano de Fundação: 1960.

Títulos na NFL: 0.

Desempenho em 2018: 9 vitórias e 7 derrotas. 

Técnico: Mike Vrabel. 

Principal Jogador: RB Derrick Henry. 

Denver Broncos

Localização: Denver, Colorado.

Estádio: Broncos Stadium at Mile High.

Ano de Fundação: 1960.

Títulos na NFL: 3 (1997, 1998 e 2015). 

Desempenho em 2018: 6 vitórias e 10 derrotas.

Técnico: Vic Fangio.

Principal Jogador: LB Von Miller. 

Kansas City Chiefs

Localização: Kansas City, Missouri.

Estádio: Arrowhead Stadium.

Ano de Fundação: 1960.

Títulos na NFL: 1 (1969). 

Desempenho em 2018: 12 vitórias e 4 derrotas (Eliminado nos Playoffs). 

Técnico: Andy Reid.

Principal Jogador: QB Patrick Mahomes. 

Los Angeles Chargers

Localização: Carson, Califórnia.

Estádio: Dignity Health Sports Park.

Ano de Fundação: 1960.

Títulos na NFL: 0. 

Desempenho em 2018: 12 vitórias e 4 derrotas (Eliminado nos Playoffs). 

Técnico: Anthony Lynn.

Principal Jogador: QB Philip Rivers. 

Oakland Raiders

Localização: Oakland, Califórnia.

Estádio: RingCentral Coliseum

Ano de Fundação: 1960.

Títulos na NFL: 3 (1976, 1980 e 1983). 

Desempenho em 2018: 4 vitórias e 12 derrotas.

Técnico: Jon Gruden.

Principal Jogador: WR Antonio Brown. 

Dallas Cowboys

Localização: Arlington, Texas.

Estádio: AT&T Stadium.

Ano de Fundação: 1960.

Títulos na NFL: 5 (1971, 1977, 1992, 1993 e 1995). 

Desempenho em 2018: 10 vitórias e 6 derrotas (Eliminado nos Playoffs).

Técnico: Jason Garrett.

Principal Jogador: RB Ezekiel Elliott. 

New York Giants

Localização: East Rutherford, Nova Jersey.

Estádio: MetLife Stadium.

Ano de Fundação: 1925.

Títulos na NFL: 8 (1927, 1934, 1938, 1956, 1986, 1990. 2007 e 2011) 

Desempenho em 2018: 5 vitórias e 11 derrotas.

Técnico: Pat Shurmur.

Principal Jogador: RB Saquon Barkley.

Philadelphia Eagles

Localização: Philadelphia, Pensilvânia.

Estádio: Lincoln Financial Field.

Ano de Fundação: 1933.

Títulos na NFL: 4 (1948, 1949, 1960 e 2017). 

Desempenho em 2018: 9 vitórias e 7 derrotas (Eliminado nos Playoffs).

Técnico: Doug Peterson.

Principal Jogador: QB Carson Wentz.

Washington Redskins

Localização: Landover, Maryland.

Estádio: FedEx Field.

Ano de Fundação: 1932.

Títulos na NFL: 5 (1937, 1942, 1982, 1987 e 1991). 

Desempenho em 2018: 7 vitórias e 9 derrotas.

Técnico: Jay Gruden.

Principal Jogador: LB Ryan Kerrigan. 

Chicago Bears

Localização: Chicago, Illinois.

Estádio: Soldier Field.

Ano de Fundação: 1920.

Títulos na NFL: 9 (1921, 1932, 1933, 1940, 1941, 1943, 1946, 1963 e 1985).

Desempenho em 2018: 12 vitórias e 4 derrotas (Eliminado nos Playoffs).

Técnico: Matt Nagy.

Principal Jogador: LB Khalil Mack. 

Detroit Lions

Localização: Detroit, Michigan.

Estádio: Ford Field.

Ano de Fundação: 1930

Títulos na NFL: 4 (1935, 1952, 1953 e 1957).

Desempenho em 2018: 6 vitórias e 10 derrotas.

Técnico: Matt Patricia.

Principal Jogador: QB Matthew Stafford. 

Green Bay Packers

Localização: Green Bay, Wisconsin.

Estádio: Lambeau Field.

Ano de Fundação: 1919.

Títulos na NFL: 13 (1929, 1930, 1931, 1936, 1939, 1944, 1961, 1962, 1965, 1966, 1967, 1996 e 2010).

Desempenho em 2018: 6 vitórias, 9 derrotas e 1 empate.

Técnico: Matt LaFleur.

Principal Jogador: QB Aaron Rodgers. 

Minnesota Vikings

Localização: Minneapolis, Minnesota.

Estádio: U.S. Bank Stadium. 

Ano de Fundação: 1961.

Títulos na NFL: 0. 

Desempenho em 2018: 8 vitórias, 7 derrotas e 1 empate.

Técnico: Mike Zimmer.

Principal Jogador: QB Kirk Cousins. 

Atlanta Falcons

Localização: Atlanta, Georgia.

Estádio: Mercedes-Benz Stadium. 

Ano de Fundação: 1966.

Títulos na NFL: 0. 

Desempenho em 2018: 7 vitórias e 9 derrotas.

Técnico: Dan Quinn.

Principal Jogador: QB Matt Ryan. 

Carolina Panthers

Localização: Charlotte, Carolina do Norte.

Estádio: Bank of America Stadium. 

Ano de Fundação: 1995.

Títulos na NFL: 0. 

Desempenho em 2018: 7 vitórias e 9 derrotas.

Técnico: Ron Rivera.

Principal Jogador: QB Cam Newton.

New Orleans Saints

Localização: Nova Orleans, Louisiana.

Estádio: Mercedes-Benz Superdome. 

Ano de Fundação: 1967.

Títulos na NFL: 1 (2009). 

Desempenho em 2018: 13 vitórias e 3 derrotas (Eliminado nos Playoffs).

Técnico: Sean Payton.

Principal Jogador: QB Drew Brees.

Tampa Bay Buccaneers

Localização: Tampa, Flórida.

Estádio: Raymond James Stadium. 

Ano de Fundação: 1976.

Títulos na NFL: 1 (2002). 

Desempenho em 2018: 5 vitórias e 11 derrotas.

Técnico: Bruce Arians.

Principal Jogador: WR Mike Evans.

Arizona Cardinals

Localização: Glendale, Arizona.

Estádio: State Farm Stadium. 

Ano de Fundação: 1898.

Títulos na NFL: 2 (1925 e 1947). 

Desempenho em 2018: 3 vitórias e 13 derrotas.

Técnico: Kliff Kingsbury.

Principal Jogador: RB David Johnson.

Los Angeles Rams

Localização: Los Angeles, Califórnia.

Estádio: Los Angeles Memorial Coliseum. 

Ano de Fundação: 1936.

Títulos na NFL: 3 (1945, 1951 e 1999). 

Desempenho em 2018: 13 vitórias e 3 derrotas (Vice-Campeão da NFL no Super Bowl LIII).

Técnico: Sean McVay.

Principal Jogador: DT Aaron Donald.

San Francisco 49ers

Localização: Santa Clara, Califórnia.

Estádio: Levi's Stadium. 

Ano de Fundação: 1946.

Títulos na NFL: 5 (1981, 1984, 1988, 1989 e 1994). 

Desempenho em 2018: 4 vitórias e 12 derrotas.

Técnico: Kyle Shanahan.

Principal Jogador: QB Jimmy Garoppolo.

Seattle Seahawks

Localização: Seattle, Washington.

Estádio: CenturyLink Field. 

Ano de Fundação: 1976.

Títulos na NFL: 1 (2013). 

Desempenho em 2018: 10 vitórias e 6 derrotas (Eliminado nos Playoffs).

Técnico: Pete Carroll.

Principal Jogador: QB Russell Wilson.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Futebol americano exige jogadores com diferentes portes físicos. Conheça cada estilo

São ao todo 22 atletas em campo, 11 no ataque e 11 na defesa

Felipe Laurence, especial para o Estado

05 de setembro de 2019 | 04h30

Um esporte extremamente especializado, o futebol americano conta com várias posições que se diferenciam claramente umas das outras e exigem jogadores com diferentes portes físicos e funções em campo. Temos no futebol americano 22 jogadores em campo, 11 no ataque e 11 na defesa. As substituições são liberadas e os times podem trocar os jogadores conforme as necessidades táticas ou físicas forem se apresentando durante o jogo. 

Confira quais são essas posições e qual o objetivo de cada uma durante uma partida da modalidade. 

Ataque

Quarterback (QB): a principal peça ofensiva de uma equipe, o quarterback tem como função ditar o ritmo e organizar como o ataque vai se comportar nas jogadas. Ele tem comunicação direta com o técnico em um fone de ouvido no seu capacete e repassa as instruções aos seus companheiros. É o jogador responsável por fazer passes e avançar o ataque aéreo.

Running Back (RB): um jogador forte, de alta velocidade, agilidade e com visão de jogo apurada, o running back é o responsável por encontrar espaços na defesa adversária e avançar o ataque terrestre de uma equipe durante os jogos.

Wide Receiver (WR): altos, velozes e com sintonia com seu quarterback, os recebedores correm as rotas em campo e recebem passes que avançam o ataque aéreo das equipes durante as partidas.

Tight End (TE): uma posição em transformação, antes os tight ends funcionavam basicamente como apoio para o bloqueio na linha ofensiva, mas hoje eles se tornaram em um quarto recebedor em campo e atuam principalmente para receber passes curtos e intermediários.

Offensive Tackle (OT): posicionado nas pontas da linha ofensiva, o offensive tackle tem como função proteger o quarterback do avanço dos jogadores defensivos que avançam pelas pontas e também proteger o campo para que os running backs consigam correr.

Offensive Guard (OG): jogador pesado, o offensive guard bloqueia a defesa de avançar pelo meio e prejudicar o quarterback, além de usar sua força para criar os espaços em que os running backs usam para avançar em campo.

Center (C): o center é o responsável por colocar a bola em jogo com o snap, ele passa a bola para o quarterback e fica exatamente de frente para o jogador que faz os passes como forma de protegê-lo dos jogadores defensivos. 

Defesa

Defensive End (DE): o defensive end é o jogador que fica nas pontas da linha defensiva e tem como objetivo avançar em cima do quarterback e derrubá-lo antes que consiga lançar o passe. Normalmente são jogadores altos, fortes e com velocidade incomum, o que os valoriza bastante entre os times.

Defensive Tackle (DT): as “âncoras” das equipes são jogadores pesados que precisam impedir com seu tamanho que os membros da linha ofensiva adversária consigam criar os espaços ou impedir seu trabalho de proteger o quarterback de forma efetiva.

Linebacker (LB): os linebackers se posicionam exatamente atrás da linha defensiva e têm basicamente duas funções: auxiliar na perseguição ao quarterback e marcar a zona intermediária do campo, impedindo os avanços dos running backs e dos wide receivers. Como eles têm boa visão do que o ataque está fazendo, normalmente funcionam como os capitães da defesa e organizam defensivamente o que eles precisam fazer nas jogadas.

Cornerback (CB): Jogadores altos e velozes, eles são os “anti” wide receivers. Posicionados nas pontas do campo e também atrás dos linebackers, os cornerbacks têm como principal função marcar os recebedores, os impedindo de receber os passes dos quarterbacks.

Safety (S): os safeties são chamados de os últimos homens em campo porque se posicionam ao fundo e têm como responsabilidade auxiliar os cornerbacks na marcação dos recebedores e de parar o running back caso ele consiga escapar da marcação inicial do linebackers. 

Especialistas

Kicker (K): o kicker tem como função, como o nome da posição diz, chutar a bola. São especializados nos kickoffs que colocam a bola em jogo no início da partida ou após uma pontuação e também cobram os field goals, chutes que têm como objetivo acertar o gol, que valem três pontos.

Punter (P): o punter é um kicker especializado que chuta a bola de maneira muito específica quando um time não consegue avançar as dez jardas necessárias para manter o ataque em campo. Ele precisa mandar a bola em uma trajetória em arco alto e que avance bastante para que o time adversário comece sua campanha ofensiva em posição de campo ruim.

Long Snapper (LS): função parecida com a do center, o long snapper precisa colocar a bola em jogo nas situações de field goal. A diferença é que o jogador precisa lançar a bola com precisão nas mãos do jogador responsável por armar o chute nas sete jardas que existem entre a linha e o kicker.

Holder (H): não é um jogador específico, normalmente é algum reserva de outra posição que exerce essa função que é receber a bola do long snapper e segurá-la para que o kicker consiga chutar o field goal.

Retornador (KR/PR): normalmente um wide receiver, running back ou cornerback, tem como função receber a bola após um kickoff e punt e precisa avançar o máximo em campo para que seu time comece a campanha ofensiva em boa posição. Se avançar até a endzone, marca o touchdown.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Mudança na revisão eletrônica das jogadas é a grande novidade da NFL

Interferências de passes também serão checadas por meio de vídeo

Felipe Laurence, especial para o Estado

05 de setembro de 2019 | 04h30

A grande novidade da centésima temporada da NFL é uma mudança na revisão eletrônica das jogadas. Após polêmicas no ano passado, nesta edição a liga votou para a expansão da checagem por meio de vídeo para uma falta que é de interpretação do árbitro, a interferência de passe. Os times vão poder pedir a revisão do lance caso entendam que um jogador defensivo impediu o outro de receber um passe ou se o atleta de ataque impediu que o de defesa lhe marcasse de maneira correta.

Se no futebol, a introdução do VAR está criando polêmica no esporte e passa por uma fase inicial de adaptação, na NFL a revisão eletrônica acontece desde 1986. O sistema atual vigora desde 1999 e dá possibilidade aos times de desafiarem duas jogadas específicas por jogo. Nos dois minutos finais de cada tempo, a arbitragem pode parar a partida para também revisar suas dúvidas.

Até a temporada de 2018, as jogadas que eram passíveis de revisão eletrônica atendiam critérios objetivos: ver se um jogador pisou ou não fora de campo, se ele perdeu posse de bola, se conseguiu concluir a recepção de um passe, se o time conseguiu cruzar a marca da descida ou da endzone, se o jogador encostou o joelho no gramado, entre outras. 

Ao acionar o mecanismo da revisão eletrônica, o árbitro de jogo perde o poder de decisão da jogada sendo desafiada. Uma central na sede da NFL em Nova York, sob o comando do diretor de arbitragem da liga, analisa as jogadas e decide se a marcação do árbitro em campo será mantida ou revisada. É necessária evidência incontestável para que a marcação original do árbitro seja anulada.

A NFL criou um sistema de recompensa e punição para os times nos casos de desafio. Caso o time consiga a revisão das jogadas nas duas vezes em que acionar o sistema, ele ganha um terceiro. Mas caso perca um desafio, a equipe também perde um dos seus pedidos de tempo.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Entenda regras básicas de como funciona um jogo de futebol americano

Esporte número 1 dos Estados Unidos é um primo distante do rúgbi e do nosso futebol

Felipe Laurence, especial para o Estado

01 de fevereiro de 2019 | 18h00
Atualizado 06 de setembro de 2019 | 10h07

O futebol americano surgiu como um jogo primo do rúgbi e do nosso futebol, em 1869, nas universidades dos EUA. Entre várias mudanças de regras, o jogo da época pouco se assemelha à modalidade campeã de audiência atualmente. O futebol americano tem um objetivo primário que é comum à maioria dos esportes de equipe: marcar mais pontos que o rival dentro do período determinado de disputa.

O jogo é iniciado com um kickoff, chute longo onde o time que ganhou a saída dá a primeira posse de bola ao oponente. Com a posse, o rival tem de ir avançando em campo até chegar à end zone, linha de fundo que marca a zona de pontuação.

Para manter seu ataque em campo, cada equipe tem quatro chances de avançar dez jardas. Os times podem fazer isso de duas maneiras: lançando passes ou correndo com a bola. Uma peculiaridade é que as equipes só podem fazer um passe para frente por jogada. Se conseguirem avançar as dez jardas, ganham novas quatro oportunidades para avançar mais dez até a end zone.

Quando uma das equipes consegue entrar na en dzone - ultrapassando a linha de fundo - ela marca o chamado touchdown, que vale seis pontos. Após o touchdown, o time tem duas escolhas de jogada: pode tentar um chute a gol, chamado de extra point, que vale um ponto adicional; ou tentar entrar novamente na end zone e marcar mais dois pontos adicionais.

Caso o time não avance as dez jardas necessárias para manter a posse de bola, há duas possibilidades: ele manda a bola para o rival com um punt, chute curto e direcional que tem como objetivo jogar a bola o mais fundo possível para tornar a campanha ofensiva do adversário difícil; ou, se o time estiver em boa posição de campo, pode tentar um chute a gol, chamado de field goal - vale três pontos.

Defensivamente, o objetivo das equipes é parar os ataques. A variação tática dos times é enorme, mas o princípio básico é que, exceto o quarterback, os jogadores defensivos não podem segurar os atletas do ataque. Eles podem forçar uma mudança de posse de bola antes do punt caso consigam interceptar um passe que o quarterback adversário lançar. Ou forçar um fumble - tirar a posse de bola de um atleta que a está segurando.

Para ajudá-los na partida, cada time tem três pedidos de tempo em cada metade do jogo, e pode utilizá-los a qualquer momento. As equipes fazem isso para uma melhor leitura da disputa. Além disso, os adversários possuem dois desafios que podem ser utilizados para a arbitragem rever eletronicamente algumas jogadas específicas (a maioria envolvendo a bola, como posse ou posicionamento dela).

 
Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.