Gustavo Borges dá adeus à natação

O nadador Gustavo Borges, de 31 anos, foi surpreendido nesta quinta-feira pelos amigos da velha geração ao se despedir oficialmente da piscina em uma prova-homenagem dos 100m livre, a mesma que lhe rendeu a primeira medalha olímpica (prata em Barcelona/1992). Nos últimos 12 metros da prova, Fernando Scherer e Teófilo Ferreira seguraram Gustavo pelas pernas sem deixá-lo encostar no placar eletrônico. "Foi totalmente inesperado essa final. Estava todo mundo junto e pensei: vou dar um gás no final. Quase que o Téofilo não me pega. Foi bacana e faz parte da festa. É um momento muito especial para mim", explicou Gustavo.A ´penúltima´ chegada de sua carreira foi muito aplaudida. Um dos amigos de Gustavo, Téofilo Ferreira, de 31 anos, contou que a interrupção da chegada foi planejada minutos antes da final, pois os amigos queriam guardar o sentimento de que nada havia acabado que ainda poderão ter outras oportunidades de nadarem juntos. "Combinamos de última hora, vamos segurar ele e não vamos deixar ele encostar na parede e terminar a carreira. A gente teve de acelerar bastante para segurar ele", explicou Téofilo, nadador do Minas Tênis Clube, que nada os 100 e 200m livre.Rogério Romero, de 34 anos, que já foi a cinco Olimpíadas, estava bastante emocionado e deixou um recado para o amigo: "ele infelizmente parou antes de mim, vou nadar mais um pouquinho, nem que seja para parar depois de você. Temos uma amizade muito boa e espero que ela não se encerre aqui. Desejo para ele todo sucesso do mundo." Sobre a festa para Gustavo, Romero disse: "foi um momento inesquecível, principalmente quando ele está cercado por pessoas que gostam dele, não só pela pessoa que ele foi dentro da água, mas pelo o que ele é fora dela." O anfitrião da festa estava feliz da vida, porque conseguiu reunir "uma galera bem bacana", como Thiago Pereira, Joanna Maranhão, Fernando Scherer, dentre outros. "Estou deixando uma geração com futuro promissor. A minha vida continua, com novas etapas, sem medalhas... Todo mundo teve participação na minha carreira, no meu sucesso. Se eu puder retribuir um pouquinho de que todos proporcionaram para mim e deixar uma mensagem positiva, já me deixa feliz." Foi na Olimpíada que Gustavo começou a sua despedida quando bateu a mão na parede no revezamento 4X100m livre - 12º colocado. "Aqui é diferente, é uma festa, não podia escolher nada de diferente que não fosse estar com os amigos, que simbolizaram algo muito importante para mim. Deixo a natação em boas mãos", finalizou Gustavo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.