Há 8 anos, times se enfrentaram em situação oposta

Hoje é o Santos que inicia um confronto de mata-mata do Paulista na condição de favorito. Enfrenta o São Paulo, que conquistou a última vaga nas semifinais. No Campeonato Brasileiro de 2002, o último a adotar o sistema eliminatório a partir das quartas de final, as duas equipes protagonizaram situação semelhante. Só que daquela vez foram os tricolores que chegaram com vantagem. "São coisas do futebol. Nem sempre se classificar em primeiro é melhor", lembra Ricardo Gomes.

, O Estado de S.Paulo

11 de abril de 2010 | 00h00

Depois de ótima campanha, os são-paulinos acabaram a primeira fase na liderança com 13 pontos de diferença para os jovens santistas comandados coincidentemente pelo mesmo Robinho que entra hoje em campo com a braçadeira de capitão. E os favoritos foram derrotados pelos últimos a conseguir lugar na parte decisiva da competição.

O São Paulo tinha a vantagem de jogar por dois empates da mesma forma que o Santos entra em campo a partir de hoje. Só não contava com a genialidade de Robinho, Diego e companhia, aquele time de jovens franzinos que encantou o Brasil ao atropelar os são-paulinos, depois os gremistas e, por fim, os corintianos para levantar taça que ia se tornando realidade a cada pedalada do camisa 7 santista.

Os moleques do Santos não mostraram o mínimo respeito pelo São Paulo em 2002 - Diego já havia sapateado no símbolo do clube tricolor em jogo da primeira fase vencido pela equipe do Morumbi por 3 a 2. Quando o clássico valeu de verdade, o camisa 10 resolveu dentro do campo.

Após o Santos vencer a primeira partida, na Vila Belmiro, por 3 a 1, o meia marcou gol no triunfo por 2 a 1 no Morumbi. Isso que os são-paulinos tinham nomes importantes como Kaká, Julio Baptista e Luís Fabiano que hoje brilham com a camisa da seleção brasileira. De nada adiantou, na ocasião, o São Paulo acabar a primeira fase, de pontos corridos, na liderança. Assim como de nada pode adiantar para o Santos a partir de amanhã se os novos Meninos da Vila não provarem que também podem encantar em jogos decisivos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.